Página Principal > Cardiologia > O intervalo QT é o único preditor de Torsades?
ecg com estetoscopio

O intervalo QT é o único preditor de Torsades?

Tempo de leitura: 2 minuto.

Um estudo da Clinical Pharmacology & Therapeutics investigou a hipótese de que a história de torsades de pointes pode ser melhor identificada usando a morfologia da onda T em comparação com o intervalo QT corrigido (QTc) no baseline.

Para isso, pesquisadores compararam parâmetros eletrocardiográficos em 36 pacientes com fibrilação atrial paroxística que tiveram ou não história de torsades (idade média = 60 anos). O exame foi realizado antes e após uma infusão de sotalol, que provoca repolarização anormal e serve como teste de esforço de condução cardíaca.

No baseline, não houve diferença significativa no QTc entre os grupos (com história de torsades: QTc = 446 ± 9 ms; sem história de torsades: QTc = 431 ± 9 ms). Em contraste, o escore de morfologia da onda T foi significativamente diferente entre os grupos (com torsades: 1,07 ± 0,095; sem torsades = 0,74 ± 0,07).

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que tanto o intervalo QT quanto a morfologia da onda T podem ser usados para predizer torsades após infusão de sotalol, mas somente a morfologia da onda T atingiu significância estatística no baseline. Uma combinação das duas medidas proporcionou uma diferença significativamente maior entre os grupos que o QTc sozinho.

Leia também: ‘Arritmias Ventriculares – AHA/ACC publicam nova diretriz; veja os keypoints’

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Bhuiyan TA et al. A history of drug-induced torsades de pointes is associated with T-wave morphological abnormalities. Clin Pharmacol Ther 2017 Sep 22 | http://dx.doi.org/10.1002/cpt.886

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *