Página Principal > Colunistas > O uso de anti-inflamatórios no esporte traz benefícios?
depressão, antidepressivo

O uso de anti-inflamatórios no esporte traz benefícios?

Tempo de leitura: 6 minutos.

Um estudo recente realizado no Instituto Karolinska na Suécia testou a hipótese de que altas doses de anti-inflamatórios atenuariam a resposta adaptativa ao treinamento resistido comparado com baixas doses. Esse estudo corroborou com os questionamentos pertinentes da fisiologia do exercício e da medicina esportiva nos benefícios do processo inflamatório do exercício nas adaptações musculares.

Estudos sobre anti-inflamatórios

O treinamento resistido aumenta a massa e a força do músculo esquelético. Nas últimas décadas, pesquisas demonstraram que vários nutrientes, substâncias ergogênicas e substâncias medicinais podem tanto facilitar quanto dificultar os efeitos do exercício resistido, dependendo do tipo específico e da dose de ingestão. Como exemplo de tais substâncias, os anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) têm demonstrado alterar as vias de sinalização do músculo esquelético e o metabolismo protéico em resposta ao exercício agudo e modular as adaptações musculares de longo prazo ao treinamento de resistência crônica.

No entanto, apesar dos AINEs estarem entre as drogas mais consumidas no mundo, com um consumo alarmante, especialmente em atletas e indivíduos que exercitam, nossa compreensão dos efeitos dos AINEs sobre as adaptações musculares ao treinamento de resistência é surpreendentemente limitada.

Os AINEs podem alterar o quadro agudo e resposta crônica ao treino de resistência devido ao seu efeito inibidor sobre as enzimas ciclooxigenase (COX) que regulam a síntese de prostaglandinas. As prostaglandinas, incluindo as moléculas chave PGF2α e PGE2, são mediadores biológicos da inflamação e da dor, mas também regulam outros processos fisiológicos incluindo o metabolismo proteico no músculo. Nos modelos de ratos, a inibição da COX reduziu a síntese e degradação proteica e a hipertrofia muscular foi atenuada durante a recuperação da lesão.

Além disso, níveis reduzidos de PGF2α foram associados à diminuição da síntese proteica e redução do tamanho das fibras tipo I e II. No primeiro estudo com humanos, os aumentos na síntese proteica induzidos pelo exercício resistido foram inibidos por 1.200 mg de ibuprofeno. Estudos posteriores mostraram que o ibuprofeno pode inibir a atividade celular via satélite por até 8 dias após o exercício e as respostas de sinalização durante as primeiras horas após o exercício. Apesar das evidências acumuladas de um efeito negativo dos AINEs nas adaptações do músculo esquelético ao exercício resistido, as interpretações devem ser exercitadas com cautela, pois há dados limitados de estudos longitudinais de treinamento.

Efeitos dos anti-inflamatórios não esteroidais

No único estudo em indivíduos jovens, não houve efeito negativo de uma dose relativamente baixa (400 mg/dia de treinamento) de ibuprofeno no crescimento muscular ou força. Curiosamente, em uma população idosa um aumento maior no tamanho muscular após treinamento de resistência com o consumo de ibuprofeno (1200 mg/dia) em comparação com placebo foi relatado. Claramente, como os efeitos do tratamento com AINEs nas respostas musculares ao exercício parecem depender da dosagem específica e da idade da população em estudo, há uma necessidade urgente de estudos mais abrangentes que exploram o efeito dos AINEs nas respostas ao exercício crônico.

Embora pareça claro que grandes doses de AINEs produzem níveis de droga que inibem a COX intramuscular, de tal forma que a produção de PGF2α e PGE2 é embotada, as complexidades farmacocinética e metabólica dos AINEs consumidos por via oral devem ser reconhecidas. Como a maioria dos estudos relacionados ao exercício até agora comparou doses específicas de AINEs com placebo, há uma falta de evidência direta de prova de que o efeito dos AINEs nas adaptações musculares esqueléticas ao exercício depende da dose da droga e, portanto, do nível de inibição das prostaglandinas.

O interesse neste estudo foi estimulado pela intrigante observação de que, embora os AINEs possam ter um impacto negativo nas respostas agudas do exercício (atividade de células satélites, sinalização translacional e síntese proteica), estudos humanos anteriores falharam em demonstrar um efeito prejudicial dos AINEs no desenvolvimento de hipertrofia muscular em resposta ao treinamento de resistência crônica em adultos jovens, possivelmente devido a diferenças na dosagem de medicamentos entre os estudos.

Resultados

Assim, no presente estudo, homens e mulheres jovens e saudáveis ​​realizaram 8 semanas de treinamento resistido supervisionado com tratamento concomitante com doses altas ou baixas de AINEs. Os principais e novos achados foram que 1) doses máximas de ibuprofeno no mercado sem receita médica comprometeram a hipertrofia muscular induzida por exercício resistido independente do modo de treinamento, 2) aumentos na força muscular foram atenuados pelo ibuprofeno somente quando o treinamento foi realizado com repetições, 3) enquanto a intervenção de treinamento resistido resultou em várias adaptações moleculares musculares, a única diferença marcante em todo o tratamento médico foi uma significativa regulação negativa induzida pelo ibuprofeno do mRNA da citocina inflamatória IL-6, em comparação com uma regulação positiva no grupo controle recebendo uma dose ativa mas baixa de 75 mg de ácido acetilsalicílico (ASA, n = 16).

Este é o primeiro estudo mostrando que o consumo diário de altas doses de AINEs atenua a força e adaptações hipertróficas musculares ao treinamento de resistência em indivíduos jovens e saudáveis.

Leia mais:Anti-inflamatórios aumentam mortalidade cardiovascular

Os resultados do presente estudo estão de acordo com estudos em animais mostrando um efeito inibitório dos inibidores de COX na hipertrofia muscular. Eles também concordam com dados humanos agudos relatando a síntese proteica atenuada, sinalização translacional e atividade celular via satélite em resposta ao treinamento de resistência com administração concomitante de altas doses de AINEs.

O aumento no tamanho do músculo foi substancialmente maior com o ibuprofeno comparado ao placebo, e isto foi apoiado por dados agudos que mostram nenhuma interferência do ibuprofeno na síntese de proteína muscular na mesma faixa etária. Assim, curiosamente, pode haver diferenças distintas na resposta ao treinamento resistido e consumo de AINEs em jovens versus idosos, e provavelmente também nas bases mecanicistas do remodelamento tecidual induzido por exercício nesses grupos etários.

Anti-inflamatórios em jovens x idosos

Especificamente, na presente coorte de indivíduos jovens, é possível que o embotamento de importantes processos inflamatórios, como refletido pelo gene da IL-6 regulado para baixo expressão, contribuiu para a resposta hipertrófica atenuada porque estudos prévios mostraram que a indução de IL-6, e também outros fatores inflamatórios e proteolíticos, tem um papel importante nos processos regenerativos musculares durante condições hipertróficas.

Em contraste, o papel da inflamação os processos podem ser diferentes nos idosos onde uma regulação negativa da IL-6 induzida pelo ibuprofeno pode reduzir a inflamação crônica de baixo grau e assim restaurar a resposta anabólica embotada ao exercício de resistência tipicamente visto em populações envelhecidas.

Assim, com base nos dados atuais e dada a complexa regulação dos níveis de mRNA e proteína, futuros estudos devem comparar diretamente a resposta ao exercício resistido e tratamento de AINEs em populações jovens versus idosas, bem como incorporar melhor resolução de tempo, incluindo ambos tempo agudos e crônicos de biópsia e, talvez, também técnicas de processamento mais elevadas, para fornecer evidências mais conclusivas dos mecanismos críticos que regulam os efeitos interativos dos AINEs e do exercício resistido nas adaptações musculares. Neste estudo a correlação entre mudanças no tamanho e força muscular foi muito fraca (R2 ~ 0,05; dados não mostrados).

Benefícios dos anti-inflamatórios

Assim, parece que os ganhos de força podem ocorrer independentemente da magnitude do aumento no volume muscular e, portanto, isso poderia explicar porque, na perna WS, o maior aumento no volume muscular para o grupo ASA não resultou em um aumento maior na força em comparação com IBU. É plausível que, com o treinamento de longo prazo, uma vez que as adaptações neurais tenham se estabilizado, a relação entre o tamanho e a força muscular seria restaurada e, portanto, o efeito negativo do ibuprofeno na força seria ainda mais evidente.

Em resumo, foi mostrado pela primeira vez que as doses máximas no mercado de AINEs comprometem o aumento do tamanho e da força muscular induzidos pelo exercício de resistência em adultos jovens. Os ganhos de tamanho muscular foram atenuados pelo ibuprofeno independente do tipo de treinamento realizado, enquanto a força muscular foi atenuada apenas quando o treinamento foi realizado com repetições máximas totais.

Conclusão

Além disso, enquanto o treinamento de resistência a intervenção resultou em várias adaptações moleculares nos m’usculos, a única diferença marcante sob o tratamento médico foi uma redução significativa induzida pelo ibuprofeno da expressão do gene IL-6, que refletiu para os autores em um ambiente inflamatório alterado que, especulativamente, contribuiu para o desenvolvimento hipertrófico atenuado no grupo de ibuprofeno. Este estudo melhora nossa compreensão de como os AINEs atuam e interagem com as respostas crônicas do exercício, e considerando a potência do medicamento para modificar a massa e a função muscular, os achados mecanísticos devem contribuir para uma melhor compreensão da regulação do crescimento muscular em geral.

Mais importante, no entanto, os resultados têm implicações para os milhões de indivíduos em todo o mundo que consomem NSAIDs regularmente enquanto tentam obter os melhores benefícios possíveis do treinamento de resistência.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • DR TOMMY R LUNDBERG (Orcid ID : 0000-0002-6818-6230). Article type : Regular Paper. High-doses of anti-inflammatory drugs compromise muscle strength and hypertrophic adaptations to resistance training in young adults. Mats Lilja1, Mirko Mandić1, William Apró2, Michael Melin1, 3, Karl Olsson1, Staffan Rosenborg4, Thomas Gustafsson1, Tommy R Lundberg1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.