Perguntas e respostas sobre ICFER

Este mês o American College of Cardiology publicou um artigo com 10 perguntas e respostas sobre ICFER, focadas no paciente crônico ambulatorial com FE < 40%.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Este mês o American College of Cardiology publicou um artigo com 10 perguntas e respostas sobre ICFER, focadas no paciente crônico ambulatorial com FE < 40%. Parte das perguntas se refere a dilemas do tratamento, comuns na prática clínica, e outras à organização do atendimento e dos serviços especializados. Um ponto forte do artigo foi abordar questões abertas nas diretrizes, mesmo que a evidência seja no momento a opinião dos autores. Outro aspecto legal é que todo o texto é organizado em figuras, algoritmos e tabelas, de modo bem didático. Nós separamos para vocês um resumo dos pontos principais relacionados à tomada de decisão.

No paciente com diagnóstico recente, começamos com betabloqueadores (BB) ou um inibidor do sistema renina (iECA/BRA)?

icfer pebmed

Uma alternativa é o início simultâneo de BB + iECA ou BRA. Lembrar que não é associação de iECA/BRA e sim um ou outro! O novo sacubitril/valsartana é hoje indicado como opção melhor que iECA isolado e os pacientes que puderem pagar devem fazer a transição de iECA ou BRA para sacubitril/valsartana. O início direto de sacubitril/valsartana também é possível, mesmo não havendo estudos deste cenário específico. Comece sempre as medicações na menor dose e vá subindo gradualmente.

Como fazer a progressão das medicações?

O texto sugere a cada 2 semanas, podendo ser antecipado em doentes estáveis (principalmente os internados) e adiado em pacientes limítrofes (PA baixa, função renal ruim). As duas grandes limitações à progressão do tratamento são hemodinâmica (PA/perfusão) e função renal/potássio. O texto sugere inclusive monitorização da bioquímica com eletrólitos em no máximo 15 dias após introdução e/ou modificação do iECA/BRA, o que na prática do serviço público é bem complicado em nosso meio. E o artigo frisa ainda a importância de sempre tentar alcançar a dose máxima de cada medicação, pois é onde foram comprovados os maiores benefícios. Porém, os autores não encorajam o uso de doses superiores à dose máxima de bula, por falta de estudos.

As dúvidas comuns no tratamento separamos na tabela abaixo.

*TFGe: taxa de filtração glomerular estimada.

Outras observações importantes são:

  • Em pacientes negros (“African-American”), há forte recomendação para uso da associação hidralazina com nitrato, mesmo naqueles que tolerarem iECA ou BRA. Os autores pontuam que esta combinação ainda é subutilizada.
  • Ivabradina: é reservada para o paciente em ritmo sinusal (não funciona em FA nem marcapasso) com FC > 70 bpm mesmo na dose máxima tolerada de BB. Ou seja, só começar após otimizar o máximo possível os betabloqueadores!
  • Nos raros pacientes que recuperam a função ventricular, atingindo FE > 40%, não se sabe o que fazer. Exceto em causas transitórias, como taquicardiomiopatia, o recomendado é manter as medicações na dose máxima tolerada.

Exames de acompanhamento

O mais importante é a reavaliação clínica e laboratorial (hemograma, bioquímica com eletrólitos). Em pacientes com medicação estável, a cada 3-6 meses. Em pacientes fazendo ajustes da medicação, reavaliar em 15 dias.

  • Um ecocardiograma só deve ser solicitado se houver mudança dos sinais/sintomas ou 3 a 6 meses após a otimização da terapia. Os autores contraindicam o exame ecocardiográfico como rotina anual.
  • BNP: é excelente para diagnóstico e prognóstico, mas não deve ser usado como “alvo”, isto é, você não deve ficar ajustando a medicação para melhorar o BNP. Os parâmetros de ajuste são clínico-renais e visando dose máxima tolerada. É descrito,ainda, a possibilidade de piora do BNP no início do tratamento com BB. Isto não tem relevância clínica e não deve modificar seu objetivo.
  • Sacubitril/valsartana: podem falsear o resultado do BNP. Neste grupo, dose o NT-proBNP.

Quando encaminhar o paciente ao especialista em IC?

O americano propõe o acrômnio I NEED HELP.

Iv inotrópicos
NYHA III/IV refratária
End-organ dysfunction (disfunção orgânica)
Ejeção (FE) ≤ 35%
Desfibrilação (ex: fez arritmia ventricular maligna)
Hospitalização (1 ou +)
Edema a despeito de dose alta diurético
Low blood pressure – PA baixa e/ou FC alta persistente
Progressive intolerance – não tolera medicações e/ou é necessário reduzir doses

Quais são as dificuldades esperadas?

Há duas grandes barreiras:

  1. Custo: no caso brasileiro muitas medicações não fazem parte da farmácia popular. Como exemplo, nenhum dos BB da ICFER tem distribuição gratuita.
  2. Adesão/aderência: estima-se em mais de 50% a má adesão ao tratamento! A polifarmácia e os efeitos adversos são duas causas importantes e várias propostas existem para melhorar. Nenhuma delas mostrou superioridade em relação às demais. São recomendações:
    1. Time de cuidados multiprofissional
    2. Educação do paciente sobre a doença e as medicações
    3. Melhorar e facilitar posologia
    4. Ensinar o paciente a se monitorar, incluindo peso diário, podendo, por exemplo, ajustar dose diurético
    5. Uso tecnologia móvel, como mensagens de texto e apps em smartphone

E lembre-se: seja parceiro do paciente e não o seu carrasco! No texto está literal: patients need support; blame is counterproductive.

E no fim?

No paciente que, mesmo com todos os tratamentos disponíveis, ele continua a piorar, é importante avaliar os cuidados paliativos. E o texto é bem claro que isso não significa suspender medicações, mas sim ajustá-las. Só que o foco muda, sendo o alívio da dispneia o principal objetivo. E com o tempo, a medida que a família e o paciente entenderem a evolução da doença, discutir até onde ir nas medidas invasivas.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags