Página Principal > Medicina Interna > Por que alguns médicos ainda fazem prescrição inadequada de antibióticos?
4 tipos de antibioticos

Por que alguns médicos ainda fazem prescrição inadequada de antibióticos?

Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

O uso desnecessário de antibióticos é um importante problema de saúde pública. A resistência aos antibióticos se desenvolve como uma natural consequência da habilidade da população bacteriana de se adaptar, e é irreversível. Está associado com eventos adversos evitáveis de medicamentos e com um aumento dos custos de cuidados em saúde.

Reduzir as prescrições inadequadas de antibióticos para infecções agudas do trato respiratório superior requer uma melhor compreensão dos fatores associados a esta prática. Para isso, uma análise retrospectiva foi realizada com o objetivo de determinar a prevalência de prescrições de antibióticos para infecções agudas do trato respiratório superior não bacterianas. Adicionalmente, foi verificado se as prescrições variam de acordo com as características do médico.

Foram avaliados pacientes idosos (idade > 66 anos) com infecção aguda do trato respiratório superior não bacteriana. Pacientes com câncer ou condições imunossupressoras não foram considerados.

A coorte incluiu 8.990 médicos de atenção primária e 185.014 pacientes que apresentaram infecção aguda do trato respiratório superior não bacteriana, incluindo resfriado comum (53,4%), bronquite aguda (31,3%), sinusite aguda (13,6%) ou laringite aguda (1,6%). Os pacientes tiveram uma média de idade de 74,6 anos (desvio padrão: 6,9) e foram tratados em Ontário – Canadá entre janeiro e dezembro de 2012.

A maioria das prescrições foi de antibióticos de amplo espectro (69,9%; intervalo de confiança [IC]de 95%: 69,6% a 70,2%), compreendendo macrólidos (48,9%), cefalosporinas (11,4%) e fluoroquinolonas (9,6%).

As melhores condutas médicas estão no Whitebook. Clique aqui para baixar grátis!

Em relação as características médicas, a maioria dos médicos (80,7%) estava em um estágio médio ou avançado da carreira, 58,8% eram do sexo masculino, 21,3% completaram a residência fora do Canadá ou dos Estados Unidos e 53,2% atendiam um volume médio de 25 ou mais pacientes por dia.

A porcentagem de episódios para os quais os antibióticos foram prescritos aumentou com o avanço da carreira e o volume de pacientes atendidos. A taxa de prescrição inadequada de antibiótico foi mais baixa entre os médicos na carreira inicial (mediana: 29,4%) e mais alta entre os médicos com a carreira avançada (mediana: 42,9%) e entre os médicos cujo volume diário de pacientes excedeu 45 pacientes por dia (mediana: 47,7%).

Como conclusão, pode-se observar que quase 1 de cada 2 pacientes idosos que visitaram um médico de cuidados primários para tratamento de infecção aguda do trato respiratório superior não bacteriana recebeu uma prescrição médica de antibiótico. Os pacientes eram mais propensos a receber prescrição de antibiótico de médicos com carreiras avançadas e com altos volumes de pacientes e de médicos que receberam treinamento médico fora do Canadá e dos Estados Unidos. Com base nessas características deve-se realizar intervenções alvos com o objetivo de mudar os padrões de prática estabelecidos e ajudar a reduzir a prescrição inapropriada de antibióticos.

Autora:

JulianaFestadeVasconcellos Síndrome de Sjögren: novas diretrizes de tratamento para manifestações reumatológicas

whatsapp-250 Síndrome de Sjögren: novas diretrizes de tratamento para manifestações reumatológicas

Referência:

  • Silverman M, Povitz M, Sontrop JM, Li L, Richard L, Cejic S, Shariff SZ. Antibiotic Prescribing for Nonbacterial Acute Upper Respiratory Infections in Elderly Persons. Ann Intern Med. 2017 Jun 6;166(11):765-774. doi: 10.7326/M16-1131. Epub 2017 May 9.

2 Comentários

  1. Como você afirma que a maioria é de médicos com residência fora do Canadá ou EUA se esse grupo é formado por apenas 21%, ou seja, praticamente 1/5 do total de médicos avaliados no estudo?

    • mateus malheiros naegele

      “Em relação as características médicas, a maioria dos médicos (80,7%) estava em um estágio médio ou avançado da carreira”;
      “58,8% eram do sexo masculino,”;
      ” 21,3% completaram a residência fora do Canadá ou dos Estados Unidos”;
      ” e 53,2% atendiam um volume médio de 25 ou mais pacientes por dia.”

      Não encontrei onde foi afirmado que a maioria dos 8990 médicos do estudo era de médicos com residência fora de Canadá / EUA.