Página Principal > Neurologia > Posso suspender o anticonvulsivante?
remedio de cor branca

Posso suspender o anticonvulsivante?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Saber o momento certo de interromper os fármacos anticonvulsivantes é uma questão desafiadora, e os profissionais têm ferramentas relativamente limitadas à disposição. Pensando nisso, pesquisadores realizaram um estudo para identificar os preditores de recorrência de convulsão e, assim, desenvolver nomogramas individualizados para estimar os desfechos clínicos do paciente.

Para isso, foi feita uma revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos, e as conclusões foram publicadas no The Lancet. Os autores incluíram 10 estudos com 1.769 pacientes; o acompanhamento médio foi de 3 a 5 anos.

A recorrência de convulsão ocorreu em 812 (46%). Os preditores independentes de recorrência foram:

  • duração da epilepsia antes da remissão
  • intervalo isento de convulsões antes da suspensão do anticonvulsivante
  • idade no início da epilepsia
  • história de convulsões febris
  • número de convulsões antes da remissão
  • ausência de síndrome de epilepsia auto-limitante
  • atraso no desenvolvimento
  • anormalidade epileptiforme no EEG antes da retirada

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Os preditores independentes de convulsões no último ano de acompanhamento foram:

  • duração da epilepsia antes da remissão
  • intervalo isento de convulsões antes da suspensão do anticonvulsivante
  • número de fármacos antiepilépticos antes da retirada
  • sexo feminino
  • história familiar de epilepsia
  • número de convulsões antes da remissão
  • convulsões focais
  • anormalidade epileptiforme em EEG antes da retirada

As estatísticas de concordância ajustada foram de 0,65 (IC de 95%, 0,65-0,66) para prever a recorrência de convulsões e 0,71 (0,70-0,71) para prever a ausência de convulsão a longo prazo.

Em conclusão, os pesquisadores afirmam que nomogramas facilitam a previsão de desfechos após a retirada de medicamentos, incluindo o risco de recaída e a chance de liberdade de longo prazo contra convulsões.

Referências:

  • Individualised prediction model of seizure recurrence and long-term outcomes after withdrawal of antiepileptic drugs in seizure-free patients: a systematic review and individual participant data meta-analysis. Lamberink, Herm J et al. The Lancet Neurology , Volume 16 , Issue 7 , 523 – 531

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.