Página Principal > Whitebook > Principais recomendações para profilaxia de tétano
vacina e uma siringa

Principais recomendações para profilaxia de tétano

Aqui no Portal PEBMED, já apontamos as medidas mais importantes para profilaxia da Raiva. Agora, trazemos para você as principais recomendações para a profilaxia do tétano!

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe aqui o aplicativo #1 do médico brasileiro!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Aspectos gerais

Devemos considerar a profilaxia para qualquer paciente ferido. Nunca devemos nos esquecer do paciente queimado. A profilaxia do tétano pode ser fundamental para o bom prognóstico do paciente. A história vacinal em conjunto com o tipo de lesão irá determinar a intervenção.

Conduta

-> Ferimentos de Baixo Risco: Superficiais, limpos, sem corpo estranho ou tecidos sem vida. Conduta básica inclui a limpeza adequada e a desinfecção utilizando soro fisiológico e substância antisséptica, debridar o foco da infecção.

Avaliar a história vacinal:
– Desconhece ou menos de 3 doses: apenas vacinar;
– Vacinação completa há menos de 10 anos: não fazer nada;
– Vacinação completa há mais de 10 anos: apenas vacinar.

-> Ferimentos de Alto Risco: lesões profundas ou superficiais contaminadas, corpos estranhos ou tecido sem vida, queimaduras, feridas puntiformes, por arma branca ou de fogo, mordeduras, politraumas e fraturas expostas. A conduta básica inclui a limpeza adequada e a desinfecção utilizando soro fisiológico e antissépticos, retirada adequada de corpos estranho, desbridar o foco da infecção e utilizar água oxigenada local.

Avaliar a história vacinal:
– Desconhece ou menos de 3 doses: vacinar (marcar as próximas doses) e administrar soro antitetânico/imunoglobulina humana antitetânica 5.000 UI (1 ampola) por via intramuscular;
– Vacinação completa há menos de 5 anos: não fazer nada;
– Vacinação completa há mais de 5 anos e menos de 10 anos: vacinar (1 reforço). Avaliar a administração de soro antitetânico/imunoglobulina humana antitetânica 5.000 UI (1 ampola IM) em pacientes imunodeprimidos, desnutridos grave ou idosos;
– Vacinação completa há mais de 10 anos: vacinar (1 reforço) e administrar de soro antitetânico/Imunoglobulina humana antitetânica 5.000 UI (1 ampola) por via intramuscular.

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

3 Comentários

  1. Primeiramente bom dia,
    Gostaria de esclarecer dúvidas sobre ferimentos de alto risco e profilaxia/tratamento. Qual a recomendação para acidente de alto risco de uma pessoa, cujo histórico vacinal não foi apresentado e o tempo após o acidente já passam de 24h ?

    • Eduardo Moura
      Eduardo Moura

      Olá Dra. Cristiane,
      A conduta para os casos de histórico vacinal desconhecido deve ser igual a conduta para indivíduos não vacinados.
      Nesse caso, portanto, estaria indicado o soro antitetânico e a vacinação.
      Att,
      Eduardo Moura

  2. A profilaxia pode ser feita até quanto tempo após ferimento?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.