Página Principal > Cardiologia > Procedimentos odontológicos realmente aumentam o risco de endocardite?
Procedimentos odontológicos

Procedimentos odontológicos realmente aumentam o risco de endocardite?

Tempo de leitura: 1 minuto.

Procedimentos odontológicos invasivos podem produzir bacteremia temporária e, por isso, são considerados um fator de risco potencial para endocardite infecciosa. No entanto, essa relação ainda permanece controversa. Um novo artigo da revista Circulation, publicado em maio, objetivou estimar a associação entre tratamentos dentários e a incidência de endocardite.

Para essa análise, pesquisadores utilizaram um banco de dados nacional de Taiwan e selecionaram dois estudos de caso único (crossover = 9.120 pacientes e auto-controlado = 8.181). A associação entre profilaxia antibiótica e prevenção de endocardite infecciosa também foi avaliada.

No estudo de crossover, 277 pacientes e 249 controles realizaram um procedimento odontológico invasivo durante o período de exposição e a razão de risco para endocardite foi 1,12 (IC de 95%: 0,94 a 1,34) em quatro semanas. No estudo auto-controlado, foram registradas 407 ocorrências de endocardite durante as primeiras quatro semanas após um procedimento dentário; a taxa de incidência ajustada por idade foi de 1,14 (IC de 95%: 1,02 a 1,26) em 1 a 4 semanas.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que não foi observado um risco significativamente maior de endocardite infecciosa nos curtos períodos após procedimentos odontológicos.

Você sabe quais são os sintomas da endocardite?

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

Um comentário

  1. IC foi acima de 1. Logo, houve relevância no ajustado. No geral, em média, não houve, mas não é um bom parâmetro. Não é isso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *