Página Principal > Pediatria > Quais sinais clínicos de pneumonia são realmente válidos em crianças?
pediatra examinando gargante de menino

Quais sinais clínicos de pneumonia são realmente válidos em crianças?

Tempo de leitura: 1 minuto.

As diretrizes internacionais mais recentes enfatizam o uso da história e os achados do exame na abordagem diagnóstica da pneumonia adquirida na comunidade (PAC) em crianças. Em novo artigo da Pediatrics, pesquisadores analisaram se os sinais clínicos são mesmo válidos para diagnosticar a infecção.

Para o estudo – prospectivo de coorte -, foram analisadas crianças com suspeita de PAC, que se apresentaram a um serviço de emergência pediátrica entre julho de 2013 e maio de 2016. Participaram do estudo 128 pacientes, com idades de 3 meses a 18 anos, com sinais ou sintomas respiratórios, que realizaram uma radiografia de tórax.

Apenas três achados clínicos preencheram os critérios de confiabilidade intermediária aceitável (menor limite de confiança de 95% ≥0,4):

– retração
– sibilância
– frequência respiratória

Nove sinais (dor abdominal, dor pleurítica, abertura nasal, cor da pele, impressão geral, extremidades geladas, taquipneia, frequência respiratória e crepitação) tiveram confiabilidade boa a moderada (κ / ICC = 0,4-0,6).

Oito achados tiveram confiabilidade deficiente a boa (κ / ICC = 0-0.4). Foram eles: tempo de enchimento capilar, tosse, chiado, balanço da cabeça, comportamento, grunhido, aparência geral e diminuição dos sons respiratórios.

Pelos resultados, os pesquisadores concluíram que apenas três sinais clínicos apresentaram níveis aceitáveis de confiabilidade (retração, sibilância e frequência respiratória). Esses achados devem ser considerados no manejo clínico e na pesquisa da PAC pediátrica.

Veja também: ‘Tratamento da pneumonia: tudo que você precisa saber’

*Esse artigo foi revisado pela pediatra Ana Carolina Pomodoro.

Referências:

2 Comentários

  1. Francismar Prestes Leal

    Ficou um pouco confuso…
    “Confiabilidade intermediária aceitável” então é melhor do que “confiabilidade boa a moderada”…
    “Sibilância” é mais confiável do que “chiado”…
    “Frequência respiratória” é mais confiável do que “taquipneia, frequência respiratória”…
    “Impressão geral” é mais confiável do que “aparência geral”.
    Talvez uma revisão (detalhamento) dos termos seja bem-vinda.

    • Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Francismar! Sou Ana Carolina, médica e colunista da Pebmed. Agradecemos seu comentário e interesse em nosso portal, que é um meio de contato com médicos de todo o país, incluindo acadêmicos de Medicina das diversas regiões. Dessa forma, buscamos seguir as informações contidas nos artigos que originam nossas postagens, além de utilizar uma linguagem que fique acessível a todo nosso público. Pensando em tamanha diversidade encontrada em nosso país, muitas vezes variamos o vocabulário utilizado, justamente para tentar uma melhor comunicação com quem irá nos acompanhar. Além disso, sempre disponibilizamos o link do artigo original, para que o leitor possa comparar as informações. Aproveitamos a oportunidade para lhe convidar a continuar acompanhando e participando do nosso portal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.