Qual o melhor parâmetro de avaliação de resposta a volume pela ultrassonografia? - PEBMED

Qual o melhor parâmetro de avaliação de resposta a volume pela ultrassonografia?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

A avaliação do estado volêmico é um desafio diário em unidades de terapia intensiva. Diversas são as técnicas empregadas com este intuito e, na maioria das vezes, o julgamento clínico é realizado em cima de múltiplos parâmetros analisados. A ultrassonografia à beira do leito vem sendo continuamente empregada para avaliação do estado volêmico de pacientes graves e tornou-se fundamental nesta avaliação.

500x120

Estudo publicado pelo American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine comparou três diferentes medidas obtidas pela ultrassonografia: diâmetro de veia cava inferior, variação respiratória no diâmetro de veia cava superior, velocidade máxima do sangue no trato de saída de VE; como parâmetros preditores de resposta volêmica, comparando os mesmos com a variação na pressão de pulso (medida por cateter arterial) e com a elevação passiva de membros inferiores.

O estudo prospectivo avaliou 540 pacientes em choque circulatório de etiologia séptica, cardiogênica ou hipovolêmica. Dentre os preditores de resposta hemodinâmica a volume, a variação respiratória da veia cava superior demonstrou-se a medida mais específica e de melhor acurácia, sendo a velocidade máxima do sangue no trato de saída de VE a medida mais sensível.

Veja também: ‘Campanha lista procedimentos muito utilizados, mas que não trazem benefícios’

Ainda assim, os pesquisadores concluíram que o resultado demonstrado tem suas limitações e a acurácia de seu uso não supera o julgamento clínico. A medida da variação respiratória da veia cava superior, por exemplo, necessita de ecocardiografia transesofágica em paciente com bloqueio neuromuscular, sendo duvidosa sua interpretação em pacientes fora dessas condições.

Curiosamente, o padrão ouro na resposta volêmica adotado no estudo foi justamente o método mais prático e menos invasivo, a elevação passiva de membros inferiores, sendo que os pacientes que obtiveram um aumento na velocidade máxima do sangue no trato de saída de VE a partir da elevação de membros inferiores foram considerados como responsivos a volume.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

250-BANNER3

Referências:

  • Vignon P, Repesse X, Begot E, et al. Comparison of echocardiographic indices used to predict fluid responsiveness in ventilated patients .Am J Respir Crit Care Med. 2016 Sep 21.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar