Página Principal > Gastroenterologia > Quando interromper o tratamento com inibidores da bomba de próton?
medicamentos

Quando interromper o tratamento com inibidores da bomba de próton?

Tempo de leitura: 2 minuto.

Queremos saber a sua opinião! Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

Os inibidores da bomba de próton (IBPs) reduzem o risco de hemorragia gastrointestinal, mas podem aumentar o risco de efeitos adversos como hemorragias, infecção por CDI e demência. Saber o momento correto de interromper o tratamento com os IBPs é fundamental para a saúde do paciente. No entanto, um estudo recente mostrou que a maior parte dos médicos erra na hora de determinar o fim da terapia.

Para esse estudo, foram recrutados 487 médicos, que receberam uma história fictícia envolvendo uma mulher de 70 anos de idade, tomando omeprazol 20 mg e recentemente diagnosticado com osteopenia. Os participantes receberam então uma série de outros cenários e foram questionados a respeito da troca ou suspensão de medicamentos. Os resultados foram apresentados na Digestive Disease Week 2017.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Nessa pesquisa baseada em simulação, 68% dos médicos optariam por continuar os IBPs em pacientes com baixo risco de hemorragia digestiva, 47% descontinuariam o tratamento nos pacientes de risco intermediário e 62% interromperiam a droga em doentes com maior risco de sangramento letal.

Segundo os autores do estudo, em indivíduos com risco intermediário e alto de hemorragia fatal, os benefícios dos IBPs superam o risco de eventos adversos e, por isso, não devem ser descontinuados. Já para os doentes com menor risco de hemorragia grave recomenda-se interromper os IBPs, porque os efeitos secundários superam o possível benefício.

Segundo a campanha Choosing Wisely, em pacientes com refluxo gastroesofágico não complicado, uma tentativa de parar ou reduzir a dose dos IBPs pode ser apropriada.

Referências:

3 Comentários

    • Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Marcos! Sou Ana Carolina, médica e colunista da Pebmed. Que bom que você gostou do nosso post. Ficamos felizes e lhe convidamos a continuar acompanhando e participando do nosso portal.

  1. Ótimo post. Acompanho alguns pacientes da clínica médica e fico me perguntando o porque do uso de omeprazol ou ranitidina endovenoso por um período prolongado em pacientes sem risco ou com baixo risco de hemorragia digestiva. Aproveitando queria saber se tem algum Guidelene que fala referente a profilaxia de ulcera de estresse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.