Covid-19

Quando retornar a atividade física após infecção por Covid-19? Veja a nova diretriz

Tempo de leitura: 3 min.

Inegavelmente a pandemia da Covid-19 mudou as relações interpessoais e as práticas do dia a dia das pessoas em todo o mundo, com as restrições de aglomerações e “lockdowns” diversas pessoas deixaram de praticar atividade física e o índice de sedentarismo se elevou. Além disso, a doença viral, além de afetar diretamente os pulmões, também foi capaz de afetar os sistemas cardiovascular, imunológico, neurológico, hematológico e renal. 

Mais de um quarto dos pacientes tiveram alguma agressão ao coração, o que pode ter levado a intolerância ao exercício, piora ou precipitação de doenças pré-existentes e até mesmo novas arritmias. Outro ponto importante a se considerar são as lesões pulmonares e a fadiga que persistem por um longo período a ponto de se cronificarem.

Leia também: Atividade física como proteção para insuficiência cardíaca em pacientes de alto risco

Diante dessas considerações podemos afirmar que a atividade física deve ser um importante instrumento para recuperação pós Covid-19, trazendo benefícios físico e mentais. Entretanto esses pacientes necessitam ser avaliados pelo risco de complicação, pensando assim o Australasian College of Sport and Exercise Physicians desenvolveu diretrizes para orientar os médicos a guiar seus pacientes para um retorno seguro as atividades físicas.

Primeira etapa: determinando o risco

Os pacientes foram divididos em 3 categorias de risco com o intuito de determinar um retorno apropriado as atividades físicas da forma mais segura:

Pacientes de baixo risco: Pacientes abaixo dos 50 anos de idade, assintomáticos da doença ou com sintomas respiratórios brandos resolvidos em até 7 dias, que desejam iniciar atividades físicas recreacionais, não competitivas.

Pacientes de risco intermediário: Pacientes com comorbidades prévias, pacientes que tiveram sintomas mais prolongados (> 7 dias) ou sentiram dispneia ou dor torácica, mas que não necessitaram internação hospitalar. Esse grupo incluí mesmo atletas de elite ou de resistência com os sintomas descritos.

Pacientes de risco elevado: Pacientes necessitaram internação, ainda que o motivo principal não tenha sido por problemas respiratórios.

Segunda etapa: avaliação inicial

Pacientes de baixo risco não necessitam de nenhuma avaliação especial para retornarem as atividades físicas, porém isso só pode ser realizado após um período de 10 dias de doença e mais sete dias sem sintomas. Já pacientes de risco intermediário devem fazer uma avaliação inicial com ECG, troponina e radiografia de tórax. Exames adicionais para a avaliação de patologias prévias podem ser solicitados. Caso haja alteração significativa nos exames o paciente deve ser considerado alto risco. 

Saiba mais: Obesidade está associada a risco cardiovascular mesmo em quem pratica atividade física

Pacientes de alto risco devem ser avaliados por especialistas como cardiologistas e, ou pneumologistas e devem realizar exames mais elaborados como ecocardiograma, teste ergométrico, laboratório completo com d-dímero, BNP e troponina, TC de tórax e prova de função pulmonar de acordo com a avaliação médica. Sinais de alerta como dor no peito, falta de ar, sinais de trombose, como edema de membros inferiores, taquicardia ou dispneia devem suscitar investigação mais aprimorada e afastamento das atividades até a resolução.

Retorno as atividades

O retorno as atividades deve ser gradual, inicialmente com atividades leves de 15 minutos. As medidas protetivas em relação a infecção pelo coronavírus devem ser respeitadas. O cansaço e a falta de ar como sequelas da doença podem limitar um esforço maior, portanto o incremento nas atividades dever realizado em etapas, quando possível deve-se mesclar exercícios de resistência e explosão.

Conclusão

O retorno a atividade física após infecção por Covid-19 é de suma importância para saúde física e mental, entretanto deve ser feito de forma ordenada para não prejudicar o paciente. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Jewson J, McNamara A, Fitzpatrick J. Life after COVID-19: The importance of a safe return to physical activity. Aust J Gen Pract 2020; 49. doi: 10.31128/AJGP-COVID-40.
  • Baggish A, Drezner JA, Kim J, Martinez M, Prutkin JM. Resurgence of sport in the wake of COVID-19: Cardiac considerations in competitive athletes. Br J Sports Med 2020;54(19):1130–31. doi: 10.1136/bjsports-2020-102516.
  • Elliott N, Martin R, Heron N, Elliott J, Grimstead D, Biswas A. Infographic. Graduated return to play guidance following COVID-19 infection. Br J Sports Med 2020;54(19):1174–75. doi: 10.1136/bjsports-2020-102637.
  • Bhatia RT, Marwaha S, Malhotra A, et al. Exercise in the severe acute respiratory syndrome coronavirus-2 (SARS-CoV-2) era: A question and answer session with the experts endorsed by the section of sports cardiology & exercise of the European association of preventive cardiology (EAPC). Eur J Prev Cardiol 2020;27(12):1242–51. doi10.1177/2047487320930596
Compartilhar
Publicado por
Gabriel Quintino Lopes

Posts recentes

PEBMED e Saúde Global: metas de qualidades do corpo clínico [vídeo]

No episódio de hoje, Vitor Sforni comenta sobre as metas de qualidade presentes no planejamento…

51 minutos atrás

Suplementação alimentar

A suplementação alimentar é feita com o objetivo de complementar a alimentação com nutrientes, substâncias…

2 horas atrás

Válvula aórtica bicúspide: são todas iguais? Veja as novas definições

A válvula aórtica bicúspide (VAB) é uma condição congênita caracterizada pela ausência da morfologia normal…

4 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina da Janssen

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica ontem, 25, recomendando uma dose de reforço…

5 horas atrás

Diabetes tipo 2: em que momento utilizar a insulina como recurso terapêutico? [podcast]

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, saiba mais sobre o uso da insulina…

6 horas atrás

Diagnóstico de vaginite e a microbiota vaginal real

O diagnóstico de vaginite, normalmente, é feito por anamnese e exame clínico, a fim de…

7 horas atrás