Página Principal > Pediatria > Reanimação em sala de parto de recém‐nascidos pré‐termo extremos
médicos realizando parto

Reanimação em sala de parto de recém‐nascidos pré‐termo extremos

Um grupo de pesquisadores fez uma análise das opiniões de pediatras especializados sobre as decisões de iniciar e limitar a reanimação em sala de parto de recém‐nascidos pré‐termo extremos, com o objetivo de entender melhor a conduta dos profissionais nesse momento tão delicado.

A literatura estabeleceu como limite de viabilidade de reanimação o período entre 22 e 25 semanas de idade gestacional. No entanto, nesse limite a sobrevida e o prognóstico são incertos e ainda existem dúvidas sobre qual é a conduta mais adequada.

Diante disso, pesquisadores entrevistaram 560 pediatras que ensinam reanimação no Brasil sobre as práticas atuais e as questões éticas envolvidas. Dos participantes, apenas 9% afirmaram existir em seu hospital uma norma escrita sobre quando não iniciar a reanimação em sala de parto e quando estão indicados cuidados intensivos diante da prematuridade extrema. Entretanto, 80% afirmaram usar algum dos critérios abaixo:

  • a idade gestacional (96%) e o peso ao nascer (67%);
  • 33% relataram considerar exclusivamente a idade gestacional, 5% referiram valorizar apenas o peso e 62% ambos os critérios;
  • para 80%, a idade gestacional limite para reanimação foi abaixo de 24 semanas, e para 59%, o limite de peso foi de 500g.

Os pesquisadores apresentaram também três casos clínicos para os participantes avaliarem a reanimação em diferentes estágios:

  • com 23 semanas, 50% dos instrutores fariam a reanimação em sala de parto;
  • com 26 semanas, 2% baseariam sua decisão no peso ao nascer e/ou na abertura da fenda palpebral;
  • 38% reavaliariam sua decisão e limitariam o cuidado na UTI a medidas de conforto para nascidos de 23 semanas reanimados na sala de parto;
  • Quanto aos procedimentos de reanimação avançada, 45% e 4% com 23 e 26 semanas, respectivamente, não indicariam tais manobras.

A Dra. Ana Carolina Pomodoro, pediatra e colunista da PEBMED, comenta os resultados e a conduta médica adequada:

“Podemos perceber que apenas uma minoria das unidades hospitalares (menos de 10% dos locais de trabalho daqueles que responderam ao questionário) possui norma escrita sobre quando não iniciar a reanimação em sala de parto. Isso acaba por deixar o profissional inseguro em relação à atitude que deve tomar frente aos prematuros entre 22 e 25 semanas, já que, antes disso, há uma limitação da viabilidade por causa da imaturidade biológica, e, depois dessa faixa, não se questiona o benefício do tratamento.

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda cautela ao profissional, orientando que o mesmo aguarde o nascimento para que tome sua decisão de reanimar ou não. Na dúvida, deve reanimar e decidir os próximos passos com a equipe da UTI Neonatal e a família”, finaliza Dra. Ana.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • J Pediatr (Rio J) 2016;92:609-15 DOI: 10.1016/j.jpedp.2016.06.001

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.