Página Principal > Infectologia > Segundo Ministério da Saúde, quase metade dos jovens brasileiros não usa camisinha
preservativo aberto em cima da mesa

Segundo Ministério da Saúde, quase metade dos jovens brasileiros não usa camisinha

Tempo de leitura: 3 minutos.

Apesar de muitas campanhas e instruções, os jovens brasileiros estão cada vez menos usando camisinha, aumentando o risco de transmissão de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Segundo o Ministério da Saúde, entre os brasileiros com 15 a 24 anos, apenas 56,6% usam camisinha no ato sexual. Além da preocupação com o HIV, o risco de sífilis vem cada vez mais chamando a atenção dos especialistas. Você orienta seu paciente mais jovem acerca dessas doenças?

De acordo com dados do Ministério, mesmo com a epidemia de HIV/Aids estabilizada no país, o contágio do HIV aumentou de 2,8 casos por 100 mil habitantes para 5,8/100 mil entre os jovens de 15 a 19 anos na última década. É mais que o dobro nesta faixa etária. Entre brasileiros com 20 e 24 anos, o número chega a 21,8 casos por 100 mil habitantes.

Apesar de a camisinha ser a forma mais eficaz de evitar a transmissão da doença, é importante lembrar também que, em caso de possível contágio, o paciente deve procurar uma emergência, em até 72 horas, para que seja administrada a profilaxia pós-exposição (PEP). Ao todo, são mais de 825 mil brasileiros com o vírus, sendo que cerca de 260 mil não se tratam; estima-se, ainda, que 112 mil brasileiros não sabem que tem HIV.

Já a sífilis, transmitida pela bactéria Treponema pallidum, teve um aumento de cerca de 200% nos dois últimos anos no contágio de mãe para filho (dados da Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz). A doença, que possui três estágios, tem maior probabilidade de infecção nos primeiros 40 dias, nas fases primária e secundária.

Veja também: ‘HIV / SIDA em Foco: Novidades no tratamento da infecção’

A sífilis, quando chega à sua fase terciária (de dois a 40 anos após o contágio), pode levar a problemas neurológicos, cardiovasculares e, até mesmo, à morte. A doença congênita pode causar má formação do feto, surdez, cegueira e deficiência mental. Transmitir todas essas informações aos pacientes é essencial para que uma possível epidemia seja evitada.

Como seus primeiros sintomas (feridas na região genital e manchas pelo corpo) podem se curar sozinhos ou até mesmo passar despercebidos, deve-se recomendar regularmente que os pacientes com vida sexual ativa façam o teste, assim como para HIV.

Outras doenças que também não devem passar despercebidas por serem muito comuns no Brasil são o HPV, que tem mais de 200 variações e pode causar câncer (colo do útero, ânus, boca e garganta); gonorreia, que quando não tratada pode causar complicações graves e infertilidade; herpes genital, que pode facilitar o contágio por outras DSTs, além de possíveis consequências durante a gravidez; e hepatites B e C, algumas das formas virais mais comuns de inflamação do fígado, que pode se tornar crônica.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Não só fazer os testes de HIV e sífilis são importantes, como também recomendar que pessoas não vacinadas contra a hepatite B procurem uma unidade de saúde para prevenção. Além disso, em pacientes crianças e adolescentes, é necessário ressaltar a importância da vacinação contra o HPV, disponível para meninas de 9 a 13 anos e, em breve, para meninos de 12 e 13 anos (segundo o Ministério da Saúde).

Já o preservativo, é a maneira mais eficaz de proteger contra todas essas doenças, e nunca deve ser deixado de lado. Reforçar sobre seu uso nas consultas deve ser rotina, principalmente para que as DSTs não atinjam cada dia mais pessoas.

Referência:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.