Psiquiatria

Setembro amarelo: tempo de repensar a vida

Tempo de leitura: 3 min.

“E o que te faz viver?”. De forma simplória, poderíamos elencar vários motivos para manter a engrenagem da chamada “vida”, palavra cheia de significados – ou melhor, de existência – etimologicamente proveniente do latim “vita”. 

Seja por amor a algo ou alguém (incluindo desde o “eu” até os demais pronomes relativos utilizados) seja pela ideia de oferecer ajuda à sociedade em geral (motivados pela sua espiritualidade ou não), mantemos o motor da vida em funcionamento, dia após dia, embora muitas vezes não consigamos nomear o real sentido de permanecermos nesta engrenagem. 

Na verdade, quando as coisas funcionam sem grandes percalços, raramente paramos para questionar a essência da vida. Antagonicamente a esta realidade, no entanto, quando o medo, a insegurança, a tristeza ou mesmo a apatia tomam conta do sujeito em sua forma mais singular (diga-se de passagem, até mesmo solitária), eis que vem a dúvida: qual o real significado da vida? Tal pergunta fez alguns filósofos, entre eles Albert Camus escreveu em O Mito de Sísifo:

Só há um problema filosófico verdadeiramente sério: é o suicídio. Julgar se a vida merece ou não ser vivida, é responder a uma questão fundamental de filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois. São apenas jogos; primeiro é necessário responder.

Diante dos questionamentos envolvendo a temática supracitada, devemos atuar ativamente na conscientização da valorização da vida e na prevenção do suicídio, um conteúdo por vezes visto como um tabu e que, em alguns momentos, ainda demanda escritas um tanto caprichosas para burlar o veto dado ao assunto polêmico.

Saiba mais: Setembro amarelo: o risco de suicídio com opioides

A importância de falarmos sobre o suicídio

Quer queira ou não, as mortes autoprovocadas são um problema de saúde pública mundial (mais de 800 mil mortes por suicídio e mais de 16 milhões de tentativas todos os anos no mundo), que invade os mais diversos ambientes, atingindo desde o colega distante do trabalho, ao frequentador da mesma igreja, ao parente nem tão próximo, esvaecendo até mesmo seu amigo, cônjuge, filho, pai, mãe… ou paciente!  

Enquanto os números caem no mundo, o Brasil não para de crescer nessa sombria estatística. Brasil, México e Estados Unidos são responsáveis por um aumento de 35% no número de suicídios mundiais no século XXI, enquanto, neste mesmo período, o mundo encolheu 30%. E, acredita-se que o número seja ainda mais preocupante, visto que as subnotificações são uma realidade que permeiam muitos países e acabam por interferir na qualidade do gerenciamento dos registros oficiais, incluindo no próprio Brasil. 

Haja vista a proporção alarmante de tentativas de autoextermínio, devemos estar aptos a reconhecer os sinais de alerta. Processos de introspecção, com retraimento social, perda de prazer por atividades outrora interessantes, descuido com aparência, piora do desempenho nas atividades laborais ou nos estudos, alterações no sono e no apetite, diminuição da energia, além de pensamentos de morte podem dar fortes indícios de que é hora de cuidar. 

Leia também: O que podemos e devemos aprender com Simone Biles?

Pessoas mais acometidas

Um outro ponto de importante ressalva é o impacto do suicídio nas minorias. Cada vez mais negros, indígenas, gays, transexuais, e mulheres, tentam suicídio todos os anos. Algo precisa ser feito. Como diz a grande socióloga Michelle Alexander em seu livro “Responsibility for Justice”, quando o problema não é de ninguém, ele é de todos. E sim, de todos nós!

Além da necessidade de pôr-se em prática o conceito de integralidade no contexto de prevenção do suicídio, com a atuação dos profissionais de saúde de forma articulada e multidisciplinar diante do indivíduo em situação de vulnerabilidade, também devemos repensar o quão poderoso é o exercício de uma boa escuta, oferecendo um verdadeiro acolhimento do sujeito em sofrimento. Não menos importante, é de extrema relevância a articulação com outros setores na sociedade, promovendo ações preventivas educacionais, sedimentando a luta contra o preconceito, como o bullying, além de campanhas contra o porte e posse de armas, que matam mais e mais pessoas por suicídio em todo o mundo. 

Gostaríamos de encerrar com essa frase, que resume o ato de prevenir o suicídio em todas as esferas: 

O cuidado é a essência da vida, e o amor é a essência do cuidado.

Autores: 

Laís Kristyna Rocha de Oliveira. Médica pela Universidade Estadual do Piauí; Residente do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo.

 

Compartilhar
Publicado por
Rodolfo Furlan

Posts recentes

“Derressuscitação” volêmica na UTI: o que você precisa saber

O uso excessivo de fluidos em pacientes graves pode levar a consequências como injúria endotelial.…

1 hora atrás

Caso clínico: Devo garantir uma via aérea avançada precocemente à PCR?

Entenda esse caso assistindo no Clinical Drops “Devo garantir uma via aérea avançada precocemente à…

2 horas atrás

Novidades na categoria Pré-Natal e muito mais; veja a lista

O Nursebook ganhou novos conteúdos e atualizações nas categorias Doenças em Pediatria, Pré-Natal, Covid-19 e…

3 horas atrás

Como abordar a infecção primária de corrente sanguínea?

Saber diferenciar a infecção primária de corrente sanguínea e a secundária é fundamental! Hoje, falamos…

3 horas atrás

Monkeypox: Atualização confiável com evidências vivas

A monkeypox, ou varíola dos macacos, é uma nova doença infectocontagiosa que representa desafios na…

4 horas atrás

Anvisa determina apreensão de lotes falsificados de somatropina

A Anvisa determinou esta semana a apreensão de lotes falsificados de somatropina, medicamento utilizado para…

5 horas atrás