Página Principal > Colunistas > Síndrome mão-pé-boca: informações práticas.
consulta de pediatria

Síndrome mão-pé-boca: informações práticas.

Tempo de leitura: 2 minutos.

A Síndrome mão-pé-boca (SMPB) costuma aparecer mais no dia-a-dia dos pediatras, mas também pode acometer adultos. Ou seja, quem trabalha em emergência também deve conhecer essa entidade para melhor condução dos casos e bloqueio da cascata de transmissão, uma vez que se trata de agentes infecciosos de fácil contágio.

A Sociedade Brasileira de Infectologia publicou no seu boletim de março informações sobre a SMPB e como proceder. Tal síndrome costuma ter como agentes etiológicos os grupos coxsackievirus, enterovírus e echovirus e, portanto, a mesma pessoa pode apresentar mais de uma vez quadro compatível. Normalmente as crianças menores de 5 anos de idade são as mais afetadas, mas adultos também podem ser acometidos.

Transmissão

A transmissão acontece pelo contato direto ou indireto com secreções de pessoas contaminadas (tosse, espirro, saliva etc) e fecal e oral.

Mão-pé-boca ou algo mais grave?

Manifestações clínicas

De 1 a 7 dias após o contágio, o quadro pode começar de forma inespecífica como um resfriado ou até como febre, mal-estar, enjoo, vômitos e diarreia. Depois da fase inicial é que costumam aparecer as manifestações típicas: úlceras orais dolorosas que dificultam a deglutição. Nas solas das mãos e pés, pequenas bolhas indolores com vermelhidão associada. Os quadros costumam ser autolimitados e a resolução ocorre em 7 a 10 dias.

Diagnóstico

No dia-a-dia das emergências pediátricas ou adultas, o diagnóstico é clínico. Existem exames laboratoriais para a pesquisa dos possíveis agentes etiológicos mas esses não são feitos rotineiramente.

Tratamento

São utilizados hidratação, anti-térmico/analgésico comum como suporte e, em alguns casos, pomadas para alívio das dores das lesões de orofaringe.

Prevenção

Higienizar as mãos e evitar contato próximo com crianças e adultos com manifestações da síndrome. Orientar pais e pacientes sobre as formas de transmissão para quebrar a cadeia de transmissão. Recomendar o afastamento temporário da escola e do trabalho. Lembrar que, dependendo do agente etiológico, este pode permanecer nas fezes por mais tempo que a duração da síndrome.

Autor:

Referência:

https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/principal/2018/03/Boletim_SBI_Marco_2018.pdf

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

2 Comentários

  1. FLAVIA DE ALMEIDA RAMOS LOBAO

    Excelente artigo! Com a Odontologia Hospitalar, os pacientes que são acometidos por doenças com manifestações orais podem ser melhor acompanhados. Isso é ganho em saúde!. Trabalho em terapia intensiva e os cuidados orais do paciente crítico agregam qualidade e segurança

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.