Endocrinologia

Sulfonilureias para diabetes tipo 2: o tratamento é seguro?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A metformina, medicamento de primeira linha no tratamento do diabetes tipo 2, é uma medicação relativamente segura, sendo associada a menor risco de eventos cardiovasculares e menor risco de hipoglicemia, quando comparada com as sulfonilureias, atualmente consideradas drogas de segunda linha.

Ainda assim, as sulfonilureias são comumente a segunda alternativa terapêutica no diabetes tipo 2 e frequentemente são associadas à metformina em pacientes que não atingiram bom controle com a monoterapia de primeira linha.

Pensando na segurança desta combinação, um estudo observacional britânico avaliou os riscos da adição da sulfonilureia à metformina (associação) em comparação aos riscos da substituição da metformina pela sulfonilureia em monoterapia.

A população do estudo foi de 77 mil pacientes com mais de 40 anos e que iniciaram metformina em monoterapia entre 1998 e 2013. Neste período de estudo, um terço dos pacientes adicionou sulfonilureia ao tratamento em associação ou em substituição à metformina.

Sulfonilureia para diabetes tipo 2: resultados

Com 1 ano de uso de sulfonilureias, em comparação com a monoterapia de metformina, observou-se maior risco de infarto (2 infartos a mais para 1000 pessoas-ano), maior mortalidade (6 mortes a mais para 1000 pessoas-ano) e maior risco de hipoglicemia severa (5 casos a mais por 1000 pessoas-ano). Esse aumento do risco foi principalmente atribuído a troca da metformina por sulfonilureia, e não pela associação.

O estudo sugere, portanto, que trocar de tratamento para uma sulfonilureia, a partir de metformina em monoterapia, aumenta o risco de eventos adversos, e que fazer a associação é aparentemente mais seguro.

Por se tratar de um estudo observacional sujeito a muitos confundimentos e vieses, novos estudos são necessários para aprofundar essa análise. Vale destacar, no entanto, que os eventos adversos das sulfoniureias são bem conhecidos, e sempre vale pesar o perfil do seu paciente na hora de prescrevê-las.

Atualmente, outras opções terapêuticas como análogos de GLP-1, inibidores de DPP-4, gliflozinas e associações estão disponíveis e são alternativas mais seguras que a sulfonilureia. No entanto, vale destacar que apenas a metformina e as sulfonilureias estão disponíveis pelo programa de farmácia popular, e que esses novos medicamentos são muito caros para a população geral.

LEIA MAIS: Diabetes Tipo 2 – Os 13 Princípios do Tratamento

Referências:

  • Douros A et al. Sulfonylureas as second line drugs in type 2 diabetes and the risk of cardiovascular and hypoglycaemic events: Population based cohort study. BMJ 2018 Jul 18; 362:k2693 || https://doi.org/10.1136/bmj.k2693
Compartilhar
Publicado por
Eduardo Cardoso de Moura

Posts recentes

PEBMED e Saúde Global: gestão de resultados em clínicas e consultórios

No episódio de hoje, saiba mais sobre as vantagens de implantar um modelo de gestão…

17 minutos atrás

Drogas vasoativas: 10 dicas para uso no paciente grave com hipotensão

Hipotensão é uma das condições mais comuns no paciente grave, além de estar associada a…

1 hora atrás

Interrupção do uso de antidepressivo: como diferenciar recaída ou recorrência de síndrome de retirada?

É essencial diferenciar a síndrome de retirada da recaída ou recorrência já que a sintomatologia…

2 horas atrás

Tratamento de vaginose bacteriana: qual a eficácia do gel de fosfato de clindamicina 2%?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do gel de clindamicina vaginal comparado…

3 horas atrás

“Covid Zero”: políticas mais rigorosas de controle da pandemia pioram a saúde mental da população?

Estudo comparou o grau de restrição das políticas de enfrentamento à covid com escores de…

4 horas atrás

Suplementação de cálcio e estenose aórtica

Estudo mostrou que a suplementação de cálcio está ligada à queda da qualidade da função…

6 horas atrás