Página Principal > Colunistas > Taxas de suicídio nos Estados Unidos atingem níveis recordes

Taxas de suicídio nos Estados Unidos atingem níveis recordes

Tempo de leitura: 2 minutos.

As taxas de suicídio nos Estados Unidos aumentaram significativamente nas últimas duas décadas. E, agora, estão no nível mais alto desde a Segunda Guerra Mundial. Recentemente, as autoridades federais de saúde do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) alertaram para esse fato.

Novos dados do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde (NCHS) mostram que a taxa de suicídio ajustada por idade foi 33% maior em 2017 do que em 1999 (14,0 por 100 mil habitantes versus 10,5 por 100 mil). 

Foi publicado online um artigo sobre o assunto em 20 de junho na Health E-Stats. Nesse artigo, os dados forneceram informações complementares sobre as taxas de suicídio por sexo, idade e raça/etnia.

“Informações sobre os grupos com maior risco de suicídio podem ajudar a informar os esforços de prevenção”, disse Sally Curtin, uma das autoras da pesquisa, da Divisão de Estatísticas Vitais do NCHS.

“As principais conclusões são que, independente de sexo, as taxas de suicídio ajustadas por idade aumentaram significativamente entre 1999 e 2017. E isso aconteceu para todos os grupos raciais e étnicos, exceto os asiáticos não-hispânicos/das ilhas do Pacífico”, informou Curtin.

Em 2017, entre homens e mulheres de todas as idades, as taxas de suicídio foram mais altas para os índios não hispânicos americanos/nativos do Alasca em comparação com outros grupos de raça/etnia.

Leia mais: Setembro Amarelo: porque precisamos discutir o suicídio

Comparativos

Os dados mostram um aumento de 139% nos suicídios entre mulheres indígenas/nativos do Alasca de 1999 a 2017 (de 4,6 para 11,0 por 100 mil). E, mostram também um aumento de 71% entre homens nativos hispânicos americanos/nativos do Alasca (19,8 a 33,8 por 100 mil).

Tanto para homens e mulheres indígenas não hispânicos quanto para o nativo do Alasca, as taxas de suicídio são maiores entre pessoas de 15 a 24 anos e de 25 a 44 anos. Entre a faixa etária de 45 a 64 anos, a taxa foi maior entre os brancos para homens e mulheres.

Os dados para a análise são dos arquivos National Vital Statistics System Múltiplas Causas de Morte para 1999 e 2017. Os resultados estão de acordo com um relatório publicado no início do mês de junho deste ano no JAMA. Esse relatório3 mostrou um aumento significativo nos suicídios entre jovens de 15 a 24 anos entre 2000 e 2017.

Da mesma forma, um relatório foi publicado na semana passada com dados preocupantes. Ele mostrou um aumento nas mortes por suicídio e overdose de drogas entre pessoas de 18 a 34 anos.

Conforme relatado pelo Medscape Medical News, entre 2007 e 2017, essa faixa etária apresentou aumento de 108% nas mortes relacionadas a drogas. Esse dado representou um crescimento de 69% nas mortes relacionadas ao álcool e aumento de 35% nas mortes por suicídio.

“O enorme crescimento no número de millennials sendo perdidos para o abuso de substâncias e suicídio é uma tragédia nacional”, informou John Auerbach, presidente e CEO da Trust for America’s Health.

Os dados são dos arquivos da Causa Múltipla da Morte do Sistema Nacional de Estatísticas Vitais para 1999 e 2017. Os suicídios foram classificados pela Classificação Internacional de Doenças, 10ª Revisão (CID-10), códigos de causa básica de morte U03, X60-X84 e Y87.0

Autora: 

Referências: 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.