Página Principal > Psiquiatria > Terapia Cognitiva Preventiva (PCT) reduz risco de recorrência da depressão
homem com a cabeça baixa, em depressão

Terapia Cognitiva Preventiva (PCT) reduz risco de recorrência da depressão

Tempo de leitura: 3 minutos.

Para evitar recaídas em pessoas que tiveram depressão é comum que os médicos indiquem a manutenção dos antidepressivos. Uma proposta que tem sido feita para melhorar esse quadro é a adição da Terapia Cognitiva Preventiva (PCT) a esse tratamento. Entretanto, ainda não se sabe a adição de PCT  a esse tratamento permitiria a redução gradual dos antidepressivos ou aumentaria a eficácia do tratamento antidepressivo de manutenção.

Objetivo

Um estudo publicado na The Lancet buscou comparar a eficácia de três tratamentos distintos após a recuperação do paciente com depressão: uso dos antidepressivos sozinhos, utilização do PCT enquanto existe uma redução os antidepressivo e uso do PCT junto aos antidepressivos na prevenção de recaída e recorrência.

Métodos

Neste ensaio controlado randomizado, paralelo, multicêntrico, duplo-cego, indivíduos foram recrutados por clínicos gerais, farmacêuticos, cuidadores de saúde mental secundária e foram aleatoriamente designados (10: 10: 8) para três grupos diferentes: PCT e antidepressivos, antidepressivos sozinhos ou PCT com redução dos antidepressivos.

Isso foi feito usando alocação aleatória gerada por computador estratificada para número de episódios depressivos prévios e tipo de atendimento. Os participantes selecionados já haviam experimentado pelo menos dois episódios depressivos e estavam em remissão ou recuperação com o uso de antidepressivos, que vinham recebendo há pelo menos 6 meses.

Não sabe de cor a dose de todos os medicamentos? o Whitebook te dá uma mãozinha. Clique aqui para baixar.

Os critérios de exclusão foram mania ou hipomania, história de transtorno bipolar, qualquer histórico de psicose, utilização atual de álcool ou drogas, um transtorno de ansiedade que requer tratamento, tratamento psicológico mais de duas vezes por mês e um diagnóstico de dano cerebral orgânico.

O desfecho primário foi a proporção relacionada ao tempo de indivíduos  que tiveram recaída depressiva nesse grupo participante da pesquisa, que foram avaliados quatro vezes em 24 meses. Os avaliadores estavam anônimos, mas o mesmo não acontecia com médicos e participantes. Este teste está registrado no Registro de Julgamento da Holanda, número NTR1907.

Resultados

Entre 14 de julho de 2009 e 30 de abril de 2015, 2486 participantes foram avaliados para elegibilidade e 289 foram aleatoriamente designados para PCT e antidepressivo (n = 104), antidepressivo sozinho (n = 100), ou PCT com redução do antidepressivo (n = 85). O teste geral de log-rank foi significativo (p = 0,014).

O uso de antidepressivos sozinhos não eram superiores à utilização de PCT juntamente com a redução de antidepressivos em termos de risco de recaída ou recorrência (taxa de risco [HR] 0,86, 95% CI 0 · 56 – 1 · 32; p = 0 · 502). A adição de PCT ao tratamento antidepressivo resultou em uma redução do risco relativo de 41% em comparação com antidepressivos isolados (0 · 59, 0 · 38–0 · 94; p = 0 · 026).

Houve duas tentativas de suicídio (uma no grupo de antidepressivos isolados e uma no PCT com antidepressivos) e uma morte (no grupo de PCT e antidepressivos) não relacionadas às intervenções durante os 24 meses de acompanhamento.

Conclusão

O tratamento que faz uso de antidepressivos de manutenção não é superior ao PCT após a recuperação, enquanto que adicionar o PCT ao tratamento antidepressivo após a recuperação é melhor que utilizar antidepressivos isolados. A PCT deve ser oferecida a indivíduos que são recorrentemente deprimidos e que fazem uso de antidepressivos e a indivíduos que desejam interromper os antidepressivos após a recuperação.

Referência:

Effectiveness of preventive cognitive therapy while tapering antidepressants versus maintenance antidepressant treatment versus their combination in prevention of depressive relapse or recurrence (DRD study): a three-group, multicentre, randomised controlled trial. -Bockting, Claudi L H et al. – The Lancet Psychiatry , Volume 5 , Issue 5 , 401 – 410

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.