Leia mais:
Leia mais:
5 novidades da tecnologia na saúde que todo médico deve estar atento
Check-up Semanal: dabigatrana em crianças, tirzepatida no diabetes mellitus e mais! [podcast]
Junho é o mês da visibilidade e representatividade!  [Blog do Nursebook]
Recomendações na abordagem da população LGBTQIA+ na Atenção Primária à Saúde
PEBMED e HA: Atenção à saúde da população LGBTQIA+: um olhar sobre acessibilidade [podcast]

Transexualidade não é mais considerada um transtorno mental

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A transexualidade efetivamente deixou de ser considerada uma doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas de Saúde (CID) manteve a condição como um transtorno mental por 28 anos. 

Na prática, isso significa que transexuais passam a ser reconhecidos como indivíduos que podem necessitar de cuidados médicos, especialmente durante um processo de transição de gênero e não mais como pessoas que precisam de tratamento psiquiátrico. 

Embora essa informação tenha sido divulgada em 2018, somente foi oficializada durante a 72ª Assembleia Mundial da Saúde, em maio de 2019, quando foi adotada a nova edição da CID. No entanto, cada país teve até 1º de janeiro de 2022 para se adaptar à nova norma. 

Pela nova edição da CID 11, a transexualidade sai da categoria de transtornos mentais para integrar o de “condições relacionadas à saúde sexual” sendo a partir de agora classificada como “incongruência de gênero”. 

A CID é um cadastro com mais de 50 mil códigos únicos para enfermidades, problemas de saúde e lesões, que é atualizada periodicamente pela OMS reunindo todos os países membros nesta decisão em plenário. 

transexualidade

Orientações aos psicólogos 

Segundo especialistas, o principal problema da patologização das identidades de gênero são as propostas de tratamento para tentativas de “cura” da transexualidade/transgeneridade/travestilidade. Os impactos, no entanto, podem se estender para todos os segmentos da vida. 

E a retirada da transexualidade do CID visa impedir laudos psiquiátricos, psicológicos, que associavam a transexualidade a um transtorno mental, de ‘não aceitação do corpo’, de ‘ser uma confusão mental’, e demais termos já utilizados para a famosa “cura gay”. 

Na opinião do psicólogo clínico, Waldenir Cruz, esse é mais um avanço, como foi a retirada do termo “homossexualismo” da lista de doenças mentais na década de 90. “Felizmente, nós estamos evoluindo. E a tendência é tratar as pessoas como seres humanos, independente da sua orientação sexual”, disse o especialista em entrevista ao Portal de Notícias PEBMED. 

Resolução CFP nº 01/2018 

Antes mesmo da decisão da OMS, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) já havia publicado a Resolução CFP n°01/2018, que orienta a atuação profissional de psicólogos brasileiros para que travestilidades e transexualidades não sejam consideradas patologias clínicas. 

Segundo a conselheira do CFP, Sandra Sposito, esse é um momento histórico que consolida décadas de luta e de estudos que vêm avançando para garantir que cada indivíduo possa ter autonomia para definir e viver conforme a sua identidade de gênero. “A retirada da transexualidade do rol de patologias significa o respeito a essas identidades”, acrescentou. 

A Resolução CFP nº 01/2018 visa impedir o uso de instrumentos ou técnicas psicológicas para criar, manter ou reforçar preconceitos, estigmas, estereótipos ou discriminação e veda a colaboração com eventos ou serviços que contribuam para o desenvolvimento de culturas institucionais discriminatórias. 

Ela está baseada em três pilares: transexualidades e travestilidades não são patologias; a transfobia precisa ser enfrentada; e as identidades de gênero são autodeclaratórias.

Referências biliográficas:

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.