Página Principal > Cardiologia > Troponina ultrassensível ajuda a prever risco de isquemia miocárdica?
troponina ultrassensível

Troponina ultrassensível ajuda a prever risco de isquemia miocárdica?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A isquemia miocárdica é uma doença preocupante, pois pode ser um fator de risco para eventos cardiovasculares graves, como infarto agudo do miocárdio (IAM) ou arritmia. Caracterizada pela obstrução das artérias cardíacas por algum coágulo ou aterosclerose, a isquemia miocárdica provoca diminuição no fluxo sanguíneo, o que acarreta no desequilíbrio na demanda e oferta de oxigênio para o coração.

Estudos recentes associaram o baixo nível de circulação de troponina ultrassensível (cTnI-us) como biomarcador da isquemia, mesmo em pacientes com doença arterial coronariana estável. Uma pesquisa observacional realizada nos Estados Unidos entre 2012 e 2016, cujos resultados foram publicados em novembro de 2018 no periódico Annals of Internal Medicine, procurou investigar a relação entre a enzima e a isquemia miocárdica.

Leia mais: Como interpretar níveis de troponina em paciente com disfunção renal?

Os pesquisadores selecionaram 607 pacientes diagnosticados com doença arterial coronariana estável, com idade média de 63 anos, e os designaram em dois grupos. O primeiro foi chamado de coorte de derivação e continha 589 integrantes e o segundo recebeu o nome de coorte de validação e continha 118 participantes.  No coorte de derivação, todos os pacientes tinham níveis de cTnI-us que variavam entre 1,3 a 377,9 pg/mL, com média de 4,3 pg/mL. No coorte de validação, os níveis de troponina ultrassensível giravam em torno da média de 4,8 pg/mL. O tempo de follow up foi de três anos e os desfechos primários identificados foram morte por evento cardiovascular e episódios de infarto agudo do miocárdio.

Ao final do estudo, os pesquisadores concluíram que apenas 10-20% dos pacientes com níveis de cTnI-us menores do que 2,5 pg/mL desenvolveram isquemia cardíaca. As taxas de eventos cardiovasculares adversos nos indivíduos com níveis baixos de troponina ultrassensível (< 2,5 pg/mL) também foram menores se comparadas com as dos pacientes com altos níveis da enzima (0% vs. 7%).

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • https://whitebook.pebmed.com.br/conteudo/medicina-interna
  • Hammadah M, Kim JH, Tahhan AS, Kindya B, Liu C, Ko Y, et al. Use of High-Sensitivity Cardiac Troponin for the Exclusion of Inducible Myocardial IschemiaA Cohort Study. Ann Intern Med. [Epub ahead of print ] doi: 10.7326/M18-0670

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.