Uso de insulina para tratamento do diabetes tipo 2 mal controlado em 2020

Novas diretrizes da American Diabetes Association (ADA) para diabetes recomendam o tratamento de segunda linha após o tratamento metformina.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A nova diretriz da American Diabetes Association (ADA) para diabetes recomenda o tratamento de segunda linha após o tratamento metformina com base na presença de doenças cardiovasculares e/ou renais comorbidades relacionadas, riscos de ganho de peso e hipoglicemia, e custo.

Ainda não temos muitas evidências ou orientações de qual seria o próximo passo após ter iniciado a metformina em paciente com hemoglobina glicada fora da meta. Nas diretrizes temos a recomendação para o uso de inibidor do cotransportador de glicose 2 (SGLT2) ou agonista do receptor GLP-1 (GLP-1R) nos paciente com doenças cardiovasculares ateroscleróticas graves (DAC), doença renal crônica (DRC) ou insuficiência cardíaca devem ser tratadas com independentemente da HbA1c. Exceto em sinais óbvios de catabolismo, polifagia, polipsipsia e uma HbA 1c superior a 10,0%; ou níveis de glicose superiores a 300 mg/dL, caso em que a insulina pode ser considerada.

Leia também: Diabetes: Aprovada no Brasil nova insulina ultrarrápida para crianças e adolescentes

Novas diretrizes da American Diabetes Association (ADA)

Outras opções no tratamento do diabetes

Para pacientes que não têm DAC ou DRC, outros agentes anti-hiperglicêmicos, inibidores da dipeptidil peptidase 4 ou tiazolidinedionas, são recomendados quando os riscos de hipoglicemia precisam ser minimizados. Quando se deseja evitar o ganho de peso (ou promover a perda de peso), o uso de inibidores de SGLT2 e agonistas de GLP-1R são sugeridos. Quando o custo é o grande problema, o uso de sulfonilureias e tiazolidinedionas é priorizado. Todas essas recomendações precedem as do início da terapia com insulina, o que é recomendado no final de cada algoritmo de tratamento ou próximo a ele.

Quando o custo é a principal consideração, a insulina basal com o menor custo de aquisição é recomendada, e essa geralmente é a NPH. No entanto, a magnitude geral de diabetes mal controlado como manifestado pelos níveis de HbA 1c não é um fator nas decisões de tratamento recomendadas até que exceda 10,0%. Os padrões da ADA, assim como as demais orientações, recomendam a HbA 1c para “muitos adultos não grávidas” inferiores a 7,0%, ou menor se alcançado com segurança. Para alguns pacientes, como aqueles com limitações e baixa expectativa de vida ou hipoglicemia, menos que 8,0% pode ser adequado.

O início da insulina no nível de HbA 1c mais próximo de 9,0% 10,0% resultará, no mesmo HbA 1c de 7,5%, o que é próximo ou dentro da meta para praticamente todos os indivíduos com diabetes tipo 2. Este não é o caso do tratamento sem insulina. A diferença de 0,5% em HbA 1c com insulina ao iniciar com um HbA 1c de aproximadamente 9,0% é clinicamente significativo.

Evidências observacionais sugerem que o diabetes tipo 2 relacionado ao complicações microvasculares aumentam acentuadamente e assintomaticamente com valores de HbA 1c maiores que 8,5%. Cada redução de 1,0% na média da HbA 1c foi associada a uma redução de risco de 21% para qualquer desfecho relacionado ao diabetes, inclusive no Infarto Agudo do Miocárdio.

Saiba mais: Diabetes: insulina de ação prolongada é nova opção no SUS

Assim, a administração de insulina em indivíduos com níveis muito elevados de HbA 1c, independentemente do risco de DAC/DRC, poderia reduzir a chances de complicações. As diretrizes da ADA fornecem recomendações baseadas em evidências para o tratamento de pacientes com hiperglicemia moderada que também apresentam risco concomitante de DAC/DRC.

As diretrizes são insuficientes para pacientes com HbA 1c ≥ 9,0% ao recomendar terapias sem insulina isoladamente na ausência de sintomas como poliúria e polidipsia. É possível que não estar recebendo insulina no início do curso da doença para esses pacientes possa causar complicações pessoais custos e custos econômicos para o sistema de saúde. Reduzir a carga hiperglicêmica imediatamente e efetivamente com insulina basal (ou produtos combinados de agonista da insulina-GLP-1R) possibilita mediar a redução dos riscos metabólicos e subsequentes associações e complicações a longo prazo. Mesmo no ambiente de análogos de insulina, inacessíveis para muitos, esse objetivo pode ser complementado com insulina NPH bedtime. No final, o objetivo é reduzir o grande número de pessoas com HbA 1c em níveis superiores a 9,0%.

Para pacientes que já recebem metformina com DAC conhecida ou DRC, pode não ser possível iniciar um agonista de GLP-1R ou inibidor de SGLT2 devido ao alto custo desses medicamentos. Prescrever insulina NPH bedtime e uma dose matinal de sulfonilureia ou pioglitazona pode ser uma escolha mais eficaz clinicamente e econômica para pacientes com níveis de HbA 1c de 9,0% a 9,5%. Uma desvantagem é o risco de hipoglicemia e o desconforto adicional de injetar insulina em comparação com a facilidade de tomar comprimidos.

Prós e contras

Os riscos e benefícios dessas abordagens gerais devem ser discutidos com os pacientes e seus familiares. As considerações de custo no gerenciamento do diabetes é uma preocupação dos médicos e seus pacientes.

As novas classes dos análogos da insulina e as novas classes de agentes para diabetes são exemplos importantes da inacessibilidade de medicamentos nos Estados Unidos. É imperativo que os médicos reduzam o custo com a diabetes e suas complicações, reconhecendo as configurações apropriadas para iniciar as insulinas humanas (NPH e regular) o mais cedo possível alternativas mais baratas para os pacientes do que muitos medicamentos recomendados pelas diretrizes.

É importante reconhecer que a hiperglicemia extrema (HbA 1c 10,0%) é relacionada a pacientes que são mal atendidos quanto o risco e a falta da informação, isso gera um risco muito alto e um maior custo pessoal e social por causa da dificuldade em receber tratamento adequado.

Com o 100º aniversário da descoberta da insulina, os médicos devem reconhecer a utilidade de fornecer insulinoterapia para pacientes com níveis muito altos de HbA 1c (9,0%), em oposição à recomendação de 10,0% após a terapia com metformina.

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades