UTI neonatal dificulta o vínculo da criança com a família

A UTI neonatal exige mais aspectos voltados à humanização, pois é necessário criar espaço para o desenvolvimento do vínculo da criança com a família.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI neonatal) é um serviço de internação destinado a recém-nascidos (RN) de 0 a 28 dias com alto risco, identificados através de critérios como asfixia grave, pré-termo com baixo peso ao nascer, idade gestacional insuficiente e outras doenças graves2.

O processo de humanização é caracterizado como a forma pela qual se deve prestar assistência ao paciente, considerando-o como ser biopsicossocial e referindo-se também a tudo que está ligado ao processo saúde-doença: família, equipe multiprofissional, ambiente, assistência prestada1.

Considerando o ambiente crítico, a UTI neonatal exige ainda mais aspectos voltados à humanização, pois, além da individualização do cuidado, considerando as necessidades singulares do paciente, ainda é necessário criar espaço para o desenvolvimento do vínculo da criança com a família. Diferente do paciente adulto, que já possui vínculo familiar e social estabelecido e pode contar com essa realidade como um recurso de enfrentamento do processo, o neonato ainda não dispõe da possibilidade de vivenciar a rotina domiciliar, a relação materna/paterna, a percepção real de cuidado pautado no afeto familiar.

O ambiente mais adequado para o crescimento e formação do bebê é o útero materno, capaz de oferecer temperatura ideal, proteção acústica, sensação de conforto e proximidade humana. É nesta fase que ocorrem as primeiras experiências que formarão o vínculo, principalmente auditivas, em que o bebê se adapta à percepção segura dos batimentos cardíacos da mãe, e dos estímulos e carinhos indiretos.

A UTI, em contrapartida, é um ambiente com temperatura reduzida, estímulos diversos (sonoro, visual, tátil, etc.) associados a sensações ambivalentes, por vezes, de desconforto, resultando em limitação do contato corporal e afetivo da figura materna.

Leia mais: Você sabe tratar a síndrome de abstinência neonatal?

Garantir a presença física dos pais no ambiente de UTI é de grande valia para a família do neonato. Entretanto, não é suficiente para o estabelecimento integral do vínculo com a criança. A quantidade de aparelhos, de sondas e cateteres, de máquinas de terapia substitutiva, pode tornar impossível ou insuficiente o próprio afago, o carinho, o ninar, o calor corporal e tantos outros estímulos que garantem conforto e segurança ao bebê. Para a família, este cenário é o principal causador da dificuldade de humanização e percepção do neonato enquanto criança idealizada e desejada pelo casal.

O toque, considerado como meio de comunicação não-verbal, é a ponte principal do estabelecimento de vínculos, sentimentos, aproximação. É capaz de proporcionar diversas alterações e reações ao organismo da criança, em especial quando é realizado de modo delicado e agradável. Pode melhorar o padrão de sono, alimentação, o vínculo e diminuição de desconfortos físicos.

Considerando tal premissa, os estudos mais atuais sobre humanização da atenção ao neonato crítico têm apontado os benefícios do toque instrumental-afetivo na assistência dos profissionais ao bebê. Porém, como a manipulação principal do paciente acaba sendo da equipe, existe a dificuldade em identificar o toque materno/paterno, o cheiro, o calor, consequentemente dificultando o direcionamento do afeto e desejo da criança para seu objeto real de amor.

Para a constituição psíquica saudável do ser, é imprescindível a presença de “um outro” para direcionar sua energia, afetos e desejos. Portanto, a relação mãe-bebê é fundamental nesta constituição, e mesmo que o bebê não seja capaz de falar, a comunicação se estabelece de modo não verbal. O recém-nascido tem sua forma particular de expressão de necessidades e desejos, que para se fazerem válidos, precisam encontrar lugar na percepção de um outro.

A existência só se concretiza a partir da percepção de terceiros, para que se possa ocupar um lugar subjetivo e passar a existir psiquicamente (desde antes do nascimento), até a tomada de consciência de si. É papel da equipe estimular e possibilitar a manutenção do olhar verdadeiramente humano, da troca de expectativas, de olhares e desejos entre mãe/pai e o bebê3, de modo que reflitam e transmitam ao paciente a validação e percepção de si enquanto ser-no-mundo.

É recorrente em ambiente de UTI Neonatal, a ansiedade, angústia, medo e muita insegurança. A ambivalência de percepções e sentimentos ocasiona fragilidade emocional aos pais, que enxergam a UTI como ambiente inóspito x necessário, agressivo x restaurador, desumano x detentor da esperança. O espaço da UTI, excesso de equipamentos, a barreira física das incubadoras, o barulho dos aparelhos, a iminência da morte, podem ocasionar uma interação limitada com o bebê e repleta de medo, como se a aproximação o colocasse em risco. Nestas situações, a dificuldade de reconhecimento da criança enquanto objeto de idealização, expectativas e desejos, ocasiona um afastamento inconsciente e desinvestimento do laço afetivo.

Na atualidade, ainda é amplamente discutido o real benefício da amamentação do RN a termo, porém, a maior parte dos estudos considera o protocolo de observação da mamada idealizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), juntamente ao Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF)5. A impossibilidade inicial (ou persistente) de realizar a amamentação natural junto à mãe, impõe uma quebra no desenvolvimento natural do laço afetivo e da intimidade junto ao bebê. Além das dificuldades técnicas e fisiológicas em realizar tal tarefa, a própria expectativa social e cultural imposta à mãe no aleitamento pode despertar sentimentos de impotência, insuficiência do desempenho do papel materno, além do sofrimento interno ocasionado pela impossibilidade de ser fonte de alimento.

O sofrimento se faz presente em todas as etapas do processo de internação em UTI-N, pois reflete a percepção da gravidade e do medo da perda definitiva. Torna-se palpável a impossibilidade de assumir papéis e funções idealizadas, quebrando sonhos iniciais e possibilidades relacionadas à criança. É essencial um profissional da Psicologia para ampliar o olhar e as percepções dos pais de neonatos críticos, pois, a chegada de um filho “diferente” das expectativas pode provocar uma quebra da homeostase psíquica e familiar, com períodos de crises e incertezas, levando a família a um colapso emocional, ou em alguns casos, à rejeição duradoura.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  1. Vila VSC, Rossi LA. O significado cultural do cuidado humanizado em Unidade de Terapia Intensiva: “muito falado e pouco vivido”. Rev. Latino -Americana de Enfermagem 2002; 10(2): 137-144.
  2. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário oficial da união. Brasília, DF, 2012.
  3. GORETTI, A. C. S. A relação mãe-bebê na estimulação precoce: um olhar Psicanalítico. Estilos clin., São Paulo, v. 19, n. 3, set./dez. 2014, 414-435.
  4. QUEIROZ, E.F. O olhar do outro primordial. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund. IX, 4, 598-610.
  5. Carvalhaes MBL, Corrêa CRH. Identification of difficulties at the beginning of breastfeeding by means of protocol application. J Pediatr. [periódico na internet].Disponível em http://www.scielo.br/pdf/jped/v79n1/v79n1a05.pdf 2003 [acesso em: 15-01- 2013];79(1):13-20.
  6. Scheeren B, Mengue APM, Devincenzi BS, Barbosa LR, Gomes E. Condições iniciais no aleitamento materno de recém-nascidos prematuros. J Soc Bras Fonoaudiol. [periódico na internet] 2012 [acesso em: 15-01-2013]; 24 (3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jsbf/v24n3/v24n3a03.pdf
  7. UNICEF. Breastfeeding management and promotion in a baby-friendly hospital: an 18-hour course for maternity staff. 1993.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags

uti