Página Principal > Colunistas > Vacina contra HPV reduz em 89% a incidência de câncer do colo do útero
HPV

Vacina contra HPV reduz em 89% a incidência de câncer do colo do útero

Tempo de leitura: 3 minutos.

Uma pesquisa publicada no British Medical Journal constatou que a vacina contra o HPV reduziu a incidência do câncer de colo de útero em 89%. Analisando os dados de 140 mil pacientes escocesas, pesquisadores de várias universidades verificaram que o número de mulheres com células pré-cancerígenas no colo do útero caiu drasticamente.

Foi constatada essa redução comparando as taxas de células pré-cancerígenas no colo do útero entre mulheres não vacinadas nascidas em 1988 e mulheres vacinadas nascidas em 1995 e 1996.

O estudo também mostrou que mesmo as mulheres não vacinadas estavam colhendo benefícios através do efeito conhecido como “imunidade de rebanho”, onde pessoas não vacinadas são efetivamente protegidas de uma doença contagiosa quando uma boa parte da população é vacinada. Por encontrar muitas pessoas imunizadas, o vírus não consegue se espalhar e acaba infectando menos gente.

Hoje, estima-se que 450 milhões de mulheres sejam portadoras de algum tipo de vírus HPV. Existem mais de 100 variações diferentes de vírus dentro desse mesmo grupo, sendo extremamente comuns. A maioria causa problemas mais simples, como o aparecimento de verrugas. Entretanto, 14 tipos da doença, no mínimo, podem causar feridas oncológicas.

A infecção pelo HPV é muito frequente, mas também transitória, regredindo espontaneamente na maioria das vezes. “Em um pequeno número de casos nos quais a infecção persiste é causado por um tipo viral oncogênico, podendo ocorrer o desenvolvimento de lesões oncológicas, principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe, boca, língua e esôfago. O aumento de áreas afetadas por essas lesões cresceram devido a mudanças nos hábitos sexuais das pessoas nas últimas décadas”, explica o clínico e infectologista Paulo Olzon, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O estudo sobre HPV

O carcinoma cervical é o quarto câncer mais comum em mulheres e uma das principais causas de morbidade e mortalidade em todo o mundo. Em países desenvolvidos onde programas organizados de rastreamento do colo do útero foram implementados, a incidência e mortalidade por câncer cervical diminuíram, embora em muitos não haja diminuição adicional ou mesmo aumento da incidência.

Muitos fatores podem contribuir para essas tendências, incluindo menor aceitação da triagem, aumento das taxas de infecção pelo papilomavírus humano (HPV) e mudanças no comportamento sexual. Os países de renda média e baixa, em sua maioria, não têm recursos para apoiar a triagem organizada e o câncer do colo do útero continua a ser um problema considerável. O desenvolvimento de vacinas contra os mais importantes tipos de HPV oncogênicos tem o potencial de ser um passo importante na prevenção do câncer do colo do útero.

Em 2008, a Escócia introduziu um programa nacional de imunização contra o HPV usando a vacina bivalente, que foi usada até 2012. O programa de imunização era baseado na escola, onde era direcionado a meninas de 12 e 13 anos (vacinação de rotina) e foi complementado com uma recuperação de três anos para a idade de 18 anos. A adesão na coorte de recuperação foi de cerca de 65% no total, mas a aceitação nas coortes rotineiramente imunizadas tem consistentemente excedido 85% .

Até 5 de junho de 2016, inclusive, as mulheres na Escócia foram convidadas para a avaliação cervical aos 20 anos. Depois disso, elas são examinadas a partir dos 25 anos. As mulheres das coortes de rastreamento foram examinadas desde 2010 e as mulheres das coortes rotineiramente imunizadas foram examinadas desde 2015. A Escócia possui dados abrangentes de rastreio do colo do útero que contêm todo o registro de rastreio de uma mulher, o estado de imunização e o identificador pessoal único (número do índice de saúde da comunidade (CHI)).

Os pesquisadores têm sido capazes de mostrar a eficácia da imunização em vários resultados, incluindo a prevalência do HPV, imunidade de rebanho, doença do colo do útero, resultados de colposcopia e captação de rastreio do colo do útero.

Recentemente, os pesquisadores relataram o efeito da vacina bivalente contra o HPV na prevalência de tipos de HPV em mulheres que foram imunizadas aos 12-13 anos de idade e compareceram para a triagem aos 20 anos de idade. Na coorte de nascimentos de 1995 (associada a 90% da vacina aos 13 anos de idade) foi observada uma erradicação virtual da infecção relacionada aos tipos 16 e 18 do HPV e uma redução estatisticamente significativa nos tipos de proteção cruzada.

Além disso, nenhuma evidência de substituição por outros tipos de HPV foi identificada em mulheres não vacinadas. Reduções semelhantes foram relatadas na Holanda, onde a vacina bivalente usada é 13 A considerável redução nos tipos de HPV mais carcinogênicos tem implicações claras para a doença associada e para a forma como é administrada clinicamente.

Conclusão

No presente estudo, foi divulgado o efeito positivo da imunização rotineira de meninas de 12 a 13 anos com a vacina bivalente contra o HPV nos níveis de anormalidades citológicas e neoplasia intraepitelial cervical (NIC). Essas descobertas complementam estudos anteriores na Escócia e na Holanda, que indicam que a vacina bivalente fornece proteção contra a maioria dos cânceres cervicais relacionados ao HPV.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Palmer Tim, Wallace Lynn, Pollock Kevin G, Cuschieri Kate, Robertson Chris, Kavanagh Kim et al. Prevalence of cervical disease at age 20 after immunisation with bivalent HPV vaccine at age 12-13 in Scotland: retrospective population study BMJ 2019; 365 :l1161

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.