Home / Coronavírus / Vacina da Pfizer: concedido o 1º registro definitivo pela Anvisa

Vacina da Pfizer: concedido o 1º registro definitivo pela Anvisa

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

A ANVISA decidiu, no dia 23 de fevereiro, pela concessão do registro definitivo da vacina do Laboratório Pfizer/BioNTech contra Covid-19.

De acordo com o diretor-presidente do órgão, Antonio Barra Torres, “o imunizante teve sua segurança, qualidade e eficácia aferidas e atestadas pela equipe técnica de servidores da Anvisa que prossegue no seu trabalho de proteger a saúde do cidadão brasileiro.”

Para o diretor Romison Mota “O registro sanitário de um imunobiológico ou qualquer outro medicamento é a chancela de um órgão regulador sobre a qualidade, a eficácia e a segurança desse tipo de produto. Durante a análise de um dossiê de registro são realizadas avaliações minuciosas, por especialistas, de todos os documentos e estudos que o compõem, como, por exemplo, das informações sobre o desenvolvimento farmacotécnico, do relatório técnico do produto e do relatório de experimentação terapêutica.”

A ANVISA decidiu, no dia 23 de fevereiro, pela concessão do registro definitivo da vacina do Laboratório Pfizer/BioNTech contra Covid-19.

A vacina da Pfizer

A vacina da Pfizer é baseada em mRNA, que utiliza RNA mensageiro sintético, auxiliando o organismo a gerar anticorpos. A tecnologia de mRNA permite que a vacina seja desenvolvida em menos tempo que as demais e é administrada em duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas. Os estudos de fase 3 já publicados apontaram até 95% de eficácia e ela vem sendo utilizada nas campanhas de vacinação da Europa e dos EUA.

Contraindicações da vacina

De acordo com bula, devem ser vacinadas todas as pessoas acima de 16 anos, exceto:

    • Se o paciente já teve uma reação alérgica grave (anafilaxia) ou uma reação alérgica imediata – mesmo que não tenha sido grave – a qualquer ingrediente em uma vacina de mRNA Covid-19.
    • Se o paciente teve uma reação alérgica grave (anafilaxia) ou uma reação alérgica imediata – mesmo que não tenha sido grave – depois de receber a primeira dose da vacina, não deve receber outra dose da vacina de mRNA Covid-19.

A vacina é a primeira a ter sua certificação nas Américas, após dezessete dias da solicitação do pedido da parte do laboratório. Apesar de autorizada, a vacina da Pfizer ainda não está disponível para aplicação no Brasil.

Referências bibliográficas:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.