Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Validação de uma escala para avaliar a gravidade da mononucleose infecciosa
apendicite aguda

Validação de uma escala para avaliar a gravidade da mononucleose infecciosa

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Todo ano, cerca de 1 a 5% dos estudantes universitários desenvolvem mononucleose infecciosa (MI) aguda. Além disso, aproximadamente 10% dos adolescentes ou adultos jovens preenchem os critérios para síndrome da fadiga crônica (SFC) seis meses após apresentarem a doença. A SFC é uma condição complexa que envolve fadiga grave e sintomas cognitivos e musculoesqueléticos incapacitantes. 

Utilizando dados baseados em estudos anteriores, Katz e colaboradores (2019) desenvolveram uma escala para a avaliação da gravidade da MI, em que cada item recebeu uma pontuação de 1 – Tabela 1. 

O estudo foi dividido em três etapas. Na etapa 1, os autores objetivaram incluir estudantes previamente saudáveis. Os estudantes que desenvolveram MI passavam para a etapa 2 do estudo. Seis meses após, estes estudantes passaram para a etapa 3, onde eram avaliados em relação a recuperação versus não recuperação.

Foram avaliados 126 estudantes que desenvolveram MI (estágio 2) atendidos no Northwestern University Health Center (NUHS), em Chicago, no período de dezembro de 2013 a março de 2017. Destes, 56 eram do sexo masculino, com idades variando entre 18 e 23 anos.

Os pacientes com MI foram tratados por médicos do NUHS. O diagnóstico foi feito através de um teste de Monospot® positivo, um teste de IgM contra o antígeno do capsídeo viral positivo ou teste de IgG positivo para o antígeno do capsídeo viral na presença de um anticorpo negativo contra o antígeno nuclear do vírus Epstein-Barr. Dados clínicos dos pacientes foram revisados, separadamente, por 2 médicos independentes pertencentes à equipe de pesquisa, mas não envolvidos no atendimento clínico destes pacientes quando a MI foi diagnosticada. Cada médico do estudo concluiu separadamente a gravidade da escala para cada um dos 126 pacientes. Todas as divergências foram resolvidas por discussões entre os dois médicos.

Seis meses após apresentarem MI, todos os pacientes recrutados foram contactados por telefone e/ou e-mail e avaliados quanto à recuperação ou não. Uma proporção de, aproximadamente, 1:1 de pacientes que ainda eram sintomáticos versus aqueles completamente recuperados foi encaminhada para uma avaliação médica abrangente (estágio 3). Os estudantes foram então classificados como recuperados ou preenchendo um ou mais critérios para SFC (para definição de SFC, foram usados: a definição de Fukuda, os critérios do Canadian Consensus e os critérios do Institute of Medicine para doença por intolerância aos esforços). 

No total, 126 avaliações foram analisadas. A concordância entre os revisores foi de 95%. Todos os 3 pacientes hospitalizados apresentaram gravidade dos escores de mononucleose ≥2. Indivíduos com gravidade de escores de mononucleose ≥1 foram 1,83 vezes mais propensos a receber corticosteroides. Estudantes com gravidade de escores de mononucleose de 0 ou 1 foram menos propensos a atender mais de 1 definição de caso de SFC seis meses após a infecção.

Neste estudo, Katz e colaboradores demonstraram que a escala de gravidade de MI tem validade concorrente e preditiva,  interobservador, para hospitalização e uso de corticosteroides, atendendo aos critérios para SFC seis meses meses após a ocorrência de MI aguda.

Este estudo parece fornecer uma resposta simples e objetiva para quantificar a gravidade da MI pacientes jovens. Espera-se que esta escala possa ser usada para orientar futuras tentativas de orientação antecipada e/ou prevenção de algumas das complicações mais graves da MI,  identificando indivíduos que, na época do diagnóstico, estejam em risco de hospitalização ou não recuperação em seis meses após o diagnóstico. 

Autora: 

Referências:

  • Katz, B. Z. et al. A Validated Scale for Assessing the Severity of Acute Infectious Mononucleosis. Journal of Pediatrics, p.1-4, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.