WFPICCS 2022: Práticas de sedação, analgesia e dieta zero para a retirada de drenos de tórax em crianças no pós-cirúrgico cardíaco

Um estudo avalia a eficácia de sedação e dieta zero para a retirada de drenos pós-cirúrgicos em crianças no cuidado intensivo.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Pacientes pediátricos submetidos a cirurgia cardíaca necessitam de drenagem torácica no período pós-operatório. Esses drenos são retirados na enfermaria ou na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP). No entanto, não há diretrizes documentadas e existe grande variação na prática clínica com relação ao jejum pré-retirada do dreno e a necessidade de analgesia e sedação para o procedimento.

Muitos locais zeram a dieta dos pacientes de forma rotineira para cobrir tanto a sedação quanto o risco potencial de pneumotórax, caso haja necessidade de reinserção de emergência do dreno. Isso, muitas vezes, resulta em longos períodos de jejum, causando desequilíbrio hídrico e adicionando ansiedade e estresse para as crianças e os pais. 

Leia também: WFPICCS 2022: revisão sistemática com meta-análise aborda os fatores de risco para delirium pediátrico

Em e-poster apresentado no WFPICCS 2022, Samadar e colaboradores realizaram um estudo retrospectivo com o objetivo de avaliar a prática de retirada de drenos no Alder Hey Children’s Hospital, em Liverpool, Reino Unido, e o risco de reinserção de emergência com vistas à mudança nas práticas de jejum.

AAP 2021: dexmedetomidina intranasal para sedação em crianças submetidas a procedimentos não dolorosos

Metodologia

Os pesquisadores coletaram dados de forma retrospectiva de todas as remoções de drenos torácicos pós-cirurgia cardíaca no período de fevereiro a junho de 2021. Esses dados foram analisados usando o software SPSS.

Resultados

Foram avaliados 153 pacientes com 306 drenos.  

Os medicamentos mais comumente usados para o procedimento de retirada dos drenos foram: 

  • Fentanil intravenoso (IV) – 196 (69,01%); 
  • Midazolam IV – 36 (12,68%); 
  • Morfina IV – 2 (0,70%); 
  • Morfina via oral (VO) – 53 (18,66%);
  • Paracetamol IV – 5 (1,76%); 
  • Cetamina ou Propofol IV – 11 (3,63%); 
  • Midazolam VO – 28 (9,86%).  

O tipo de sedação variou dependendo do local onde o paciente se encontrava (UTIP ou enfermaria). O jejum foi utilizado para 195 (68,66%) retiradas de drenos. Apenas um paciente (0,35%) apresentou queda temporária de saturação durante a retirada do dreno. Somente um paciente (0,35%) necessitou de reinserção de dreno torácico de emergência entre três (1,05%) com pneumotórax pós-remoção. A duração média do jejum foi de 9,40 horas.

Conclusões

Os pesquisadores observaram que existe uma variabilidade considerável nos tipos de sedação utilizados. Um período significativo de jejum foi associado à remoção do dreno em crianças. A incidência de pneumotórax e reinserção de dreno de emergência foram insignificantes. Dessa forma, os pesquisadores recomendam que o jejum de rotina não seja necessário antes de todas as remoções de drenos torácicos e que possa ser implementado apenas em casos selecionados com base no cenário clínico individualizado. 

Comentário

Atualmente, as recomendações da Society of Critical Care Medicine (SCCM) consideram os conceitos de “analgesia-first (analgesia primeiro) e sedação baseada em analgesia. Na prática, isso significa que, antes da realização de procedimentos dolorosos (como a retirada de dreno de tórax, por exemplo), devemos considerar que esse procedimento de fato causa dor e desconforto na criança, devendo ser precedido por adequada analgesia.

Ademais, o uso de sedativos somente é necessário caso o paciente não responda a uma abordagem correta da dor. Por fim, a SCCM orienta o uso de analgésicos simples, como o paracetamol (no Brasil, é frequente o uso da dipirona IV) como forma de se poupar opioides.

Diante desses dados, me parece promissor que uma história da resposta da criança à dor deva ser realizada com cautela para que possamos rever a real necessidade de se suspender a dieta, evitando ainda mais estresse na criança e na família.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# SAMADAR, A. et al. PP478 - Post-Operative Chest Drain Management in Pediatric Cardiac Surgical Patients: Sedation, Analgesia and Fasting practice.” 11th Congress of the World Federation of Pediatric Intensive & Critical Care Societies 12-16 July 2022 | Virtual World Congress. https://wfpiccs.org/wfpiccs-2022/