Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Whitebook: como identificar a hipertensão resistente?
médico anotando em prontuário de paciente com hipertensão resistente

Whitebook: como identificar a hipertensão resistente?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Esta semana, falamos no Portal PEBMED sobre a abordagem da hipertensão resistente na atenção primária. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre como identificar a hipertensão resistente.

Veja as melhores condutas médicas no Whitebook Clinical Decision!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Apresentação Clínica

Antes de definir um paciente como hipertenso resistente ou refratário alguns pontos devem ser observados:

  • Aderência à terapia: Alguns pacientes podem ter má aderência à terapia, seja por efeitos colaterais, custo dos medicamentos, grande quantidade diária de comprimidos, baixo nível cognitivo/intelectual, entre outros;
  • Aderência às mudanças no estilo de vida: Baixa ingesta de sal, uma dieta saudável, perda de peso e prática de exercícios físicos devem fazer parte do tratamento da hipertensão e têm difícil aderência por parte dos pacientes;
  • Hipertensão do jaleco branco e hipertensão resistente aparente: Medidas de PA no consultório podem ser falseadas por diversos motivos, um MAPA de 24 horas pode dirimir essa dúvida;
  • Uso de medicações que provoquem hipertensão: Eritropoietina, anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), corticoide;
  • Causas secundárias de hipertensão: Mais informação em “Hipertensão Secundária” ;
  • Hipertensão subtratada: Doses não otimizadas, meias vidas não respeitadas, combinações inadequadas.

Anamnese

A anamnese deve conter os detalhes citados acima a fim de afastar uma hipertensão que possa ser facilmente controlada. Certificar-se da aderência à terapia pelo paciente é indispensável para o diagnóstico.

A doença hipertensiva é uma patologia de poucos sintomas, os pacientes podem apresentar nucalgia ou se queixar de sintomas inespecíficos e mal-estar.

Fatores de risco:

  • Presença de HVE;
  • Idosos;
  • Obesos;
  • Etnia negra;
  • Diabéticos;
  • Renais crônicos.

Exame Físico

O exame físico costuma ser normal com exceção da pressão arterial aferida. Alterações podem surgir quando houver lesão de órgão-alvo ou causas secundárias levando à resistência ao tratamento.

Abordagem Diagnóstica

Medida da pressão arterial em consulta: A correta medida da pressão arterial deve ser feita com o paciente calmo, sem ter comido ou bebido nos últimos 30 a 60 minutos, de bexiga vazia e não ter fumado nos últimos 30 minutos. Além disso, o tamanho da bolsa pressórica deve respeitar a circunferência do braço do paciente, o braço deve ser colocado na altura do coração, a estimativa da PA sistólica deve ser realizada palpando o pulso radial e o manguito deve ser colocado a 1 cm da fossa cubital. A PA deve ser aferida nos dois braços e o maior valor deve ser levado em consideração.

Medida ambulatorial da pressão arterial: Para a hipertensão resistente ou refratária o MAPA é de fundamental importância, pois, além de excluir os diagnósticos diferenciais, o método nos mostra as médias da PA e o comportamento durante o sono e vigília. O método osciloscópio já foi validado por diversos estudos e há alguns autores advogando a favor da superioridade do mesmo em relação a ausculta com manguito aneroide. As médias de PA no MAPA seguem os seguintes valores:

Critérios de Normalidade – MAPA
Média da PA Sistólica (mmHg) Diastólica (mmHg)
Vigília < 130 < 80
Sono < 110 < 65
24 horas < 125 < 75

Testes laboratoriais e de imagem devem, assim como outros exames complementares, ser solicitados caso haja suspeição de HAS secundária.

Diagnóstico Diferencial

  • Hipertensão pseudorresistente;
  • Hipertensão do jaleco branco;
  • Hipertensão resistente aparente.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.