Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / 5 dicas sobre arritmias que todo médico deveria saber
ecg e uma agulha

5 dicas sobre arritmias que todo médico deveria saber

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minuto.

Arritmias cardíacas e sintomas correlatos representam um grande desafio diagnóstico. Para te ajudar, veja aqui 5 dicas que todo médico deveria saber:

1) Fibrilação atrial é uma das principais causas de acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI). Lembrar desta causa mesmo quando o holter normal de 24h não revelar a arritmia. Mais detalhes neste post.

2) A causa mais comum de síncope é vasovagal. Veja mais neste post.

3) Não é indicado prescrever amiodarona para “limpar o holter”. Não sabe do que estamos falando? Veja este post.

Veja também: ‘Abordagem rápida às arritmias no plantão de emergência’

4) Taquicardia com complexo QRS largo (> ou = a 120 ms) pode ser causada por duas principais etiologias: taquicardia ventricular e taquicardia supraventricular com aberrância. Há vários algoritmos para diferenciar estas duas situações, mas a maiorias é complicada para o não cardiologista usar. Quer aprender uma forma simples de diferenciar olhando para apenas uma derivação? Veja esta regra.

5) A maioria das pessoas já ouviu falar que o primeiro passo para tentar reverter uma arritmia supraventricular paroxística é fazer manobra vagal. Mas a maioria também acha que na prática esta medida não adianta de muita coisa. Já ouviu falar desta medida simples que faz com que a manobra vagal reverta cerca de 50% das taquiarritmias supraventriculares paroxísticas? Você só precisa de uma seringa para fazê-la. Veja neste post.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.