Pediatria

AAP 2021: IMC e tempo de tela em adolescentes antes e depois da pandemia da Covid-19

Tempo de leitura: 2 min.

A pandemia da Covid-19 trouxe a enorme necessidade de reorganização da sociedade com o objetivo de diminuir a propagação da doença e também o seu impacto na saúde da população, independente da faixa etária.

Medidas como o distanciamento social, o fechamento das escolas e também dos estabelecimentos de atividades recreativas ou realização de esportes fez com que crianças e adolescentes ficassem restritos ao domicílio e diminuíssem o seu gasto energético, adaptando as atividades de vida diária para formato remoto e consequentemente aumentando o seu tempo de uso de telas, seja televisão, tablet ou celulares.

Diversos são os agravos resultantes do uso abusivo das telas, dentre eles pode-se destacar a sua relação direta com a obesidade na infância e adolescência. Um trabalho realizado por pesquisadores do Texas nos Estados Unidos e apresentado no AAP Experience 2021, congresso da American Academy of Pediatrics, avaliou de forma retrospectiva pacientes com idades entre 12 e 18 anos, que estiveram no serviço de saúde no período pré-pandêmico comparando com um segundo momento, já durante a pandemia.

IMC, tempo de tela e pandemia

Os dados avaliados foram o índice de massa corporal (IMC) e o tempo de tela (< ou > que 2 horas) utilizado durante cada período.

Após a análise dos dados, os resultados obtidos foram:

  • O percentil do IMC pré-Covid (média = 68,6200, DP = 29,1762) foi menor que o percentil do IMC pós-Covid (média = 69,9232, DP = 29,2334), p = 0,004;
  • A prevalência de obesidade foi de 25,1% no período pré-Covid e 27,5% no período pós-Covid;
  • O percentual de adolescentes que tinham mais de 2 horas de tela por dia foi de 42,1% no período pré-Covid e de 55,5% no período pós-Covid.

Conclusão e discussão

A obesidade é um processo multifatorial e grave em pediatria, tornando-se cada vez mais crescente nos últimos anos, sendo o tempo de tela apenas um dos fatores dentre vários que implicam nessa condição.

No trabalho apresentado no AAP 2021, a prevalência de obesidade e o relato de mais de 2 horas diárias de tela aumentaram do período pré-epidêmico para o pós-pandêmico, porém, a relação direta entre os dois não foi estatisticamente significativo. Mas isso não nos isenta de manter as recomendações sobre o uso moderado das telas e também de avaliar outros fatores relacionados à obesidade.

Estamos acompanhando o congresso da AAP 2021. Fique ligado no Portal PEBMED!

Mais do AAP Experience 2021:

Autor:

Referência bibliográfica:

  • BMI and Screen Time in Adolescents Before and After the COVID-19 Pandemic, Crystal Craig, MD, and Easton Brewer – Texas Tech University Health Sciences Center, Department of Pediatrics, Lubbock, TX – AAP Experience 2021 Virtual – National Conference e exhibition
Compartilhar
Publicado por
Jôbert Neves

Posts recentes

Deltacron: uma nova variante do coronavírus ou erro de laboratório? 

Uma paciente foi diagnosticada com a possível nova variante do coronavírus, a deltacron. Ela é…

24 minutos atrás

Check-up Semanal: updates sobre a Covid-19, corticoide na influenza, intubação orotraqueal e mais!

No check-up semanal de hoje, confira: updates sobre a Covid-19, corticoide na influenza, intubação orotraqueal…

14 horas atrás

CDC atualiza recomendações sobre isolamento e quarentena na Covid-19. O que dizem os estudos?

O CDC atualizou suas recomendações sobre o isolamento e quarentena na Covid-19, o que vem…

18 horas atrás

Contestando mitos: Cuidados paliativos podem aumentar a sobrevida

Os cuidados paliativos consistem numa abordagem que objetiva aliviar o sofrimento de portadores de doenças…

18 horas atrás

A cirurgia bariátrica diminui o risco de câncer?

Estudo avaliou se submetidos à cirurgia bariátrica possuem uma diminuição da incidência de câncer comparada…

19 horas atrás

Oseltamivir: o que você precisa saber para a prática clínica

O surto de Influenza vivenciado em todo o país durante o começo do ano de…

20 horas atrás