Endocrinologia

ADA 2022: agonistas de GLP-1 e a redução de risco de AVC

Tempo de leitura: 2 min.

O título em si pode não ser uma novidade saída do forno como por exemplo o SURMOUNT-1, porém foi um tema de destaque na ADA 2022 pela sua relevância e por muitas dúvidas acerca do assunto. Afinal, nos últimos anos, após o advento dos “CVOTs” (ou estudos de segurança cardiovascular para as medicações em diabetes), diversos dados apareceram sobre redução de infarto, AVC, desfecho composto por morte cardiovascular, AVC e infarto não fatal (os famosos MACEs) a respeito de basicamente todas as drogas para tratamento do diabetes, uma vez que passou a ser exigência do FDA para liberação para a comercialização. Por tal motivo, nem sempre fica claro quais efeitos são de classe e quais não são para determinados desfechos.

A dra Liana Billings falou a respeito do benefício que os agonistas de GLP-1 podem trazer na redução de risco de AVC.

Confira toda a cobertura do congresso da American Diabetes Association (ADA 2022) aqui no Portal PEBMED. O evento acontece o dia 07 de junho e está sendo realizado em New Orleans, Estados Unidos. Confira tudo o que está rolando!

Agonistas de GLP-1 reduzem o risco de AVC em cerca de 17%

O AVC é uma das condições mais temidas, capazes de deixar sequelas permanentes como imobilidade, afasia e mesmo óbito. O estudo STENO-2 demonstrou que o controle de diversos fatores de risco cardiovasculares em conjunto, dentro deles o diabetes, pode resultar numa redução de risco de 69% de ter um AVC.

Para provar seu argumento, a dra Billings começou relembrando que já no estudo Leader, de 2016, que avaliou a segurança cardiovascular da liraglutida, houve uma tendência a redução de AVC não fatal (HR 0,89) como desfecho secundário, mas não significativo. Desde o Leader e do ELIXA (que avaliou a lixisenatida), diversos outros estudos com agonistas de GLP-1 e desfechos cardiovasculares foram lançados e recentemente, algumas metanálises desses ensaios clínicos foram realizadas com o objetivo de se avaliar especificamente se existe um efeito protetor quanto ao risco de AVC não fatal.

A dra Billings traz dados robustos, advindos de três metanálises diferentes, publicadas entre 2020 e 2021 (Bellastela et al, stroke; Giugliano et al, diabetology; Sattar et al, Lancet) que incluíram dados dos estudos Elixa, Leader, Sustain-6, Exscel, Harmony, Rewind, Pioneer-6, e os dois últimos até o Amplitude-O.

O resultado:

Bellastela et al, stroke, 2020: HR 0.84 (0,76 – 0,93; IC 95%; P = 0,01)

Giugliano et al, diabetology, 2021: HR 0.84 (0,79 – 0,94; IC 95%; P < 0,001)

Sattar et al, Lancet, 2021: HR 0.83 (0,76 – 0,92; IC 95%; P < 0,002)

Ou seja, uma redução de cerca de 17% no risco. Vale lembrar que a maioria dos estudos selecionou uma população de alto risco, com a maioria já tendo eventos cardiovasculares prévios e que a incidência de AVC hemorrágico nos estudos foi baixa, menor que 10%. Portanto estamos falando mais sobre AVC isquêmico, porém também é provável que exista um efeito protetor nos hemorrágicos. O mecanismo parece ser atribuível não só à redução da glicada mas também por efeito em redução da aterosclerose no sistema nervoso central e efeitos de neuroproteção a ser esclarecidos.

E os inibidores de SGLT-2?

Apesar de ser uma classe importante e muito útil, estas medicações de forma isolada não parecem reduzir o risco de AVC, também demonstrado em 4 metanálises, a mais recente publicada em 2021, no JAMA cardiology (McGuire et al).

Esta é uma classe complementar, sobretudo por seus efeitos em proteção renal e no tratamento da insuficiência cardíaca.

Conclusão

Os agonistas de GLP-1 não devem ser esquecidos dentre as medicações paral pacientes de alto risco cardiovascular e, dentre diversos benefícios, podem reduzir por si só a chance de um paciente com diabetes ter um AVC.

Compartilhar
Publicado por
Luiz Fernando Fonseca Vieira

Posts recentes

Desafio diagnóstico de Guillain Barré: paresia de membros inferiores

A síndrome de Guillain-Barré apresenta muitos desafios na obtenção de um diagnóstico. Acompanhe os relatos…

4 horas atrás

Soluções para pacientes com fobias de ressonância magnética e tomografia

Realizar uma ressonância magnética ou tomografia costuma ser uma tarefa muito difícil para alguns pacientes.…

1 dia atrás

Whitebook – Demência Avançada

De acordo com o Whitebook Clinical Decision, a demência avançada é a fase final (e…

1 dia atrás

Revisão de guidelines para cistos pancreáticos

O acompanhamento de lesões císticas do pâncreas requer atenção constante do médico. Confira atualização recente…

2 dias atrás

Highlights International AIDS Conference 2022

Nesse episódio, confira os principais destaques do International AIDS Conference, o AIDS 2022. Não deixe…

2 dias atrás

Organizando a consulta: o guia Calgary-Cambridge

Em mais um texto da Série Comunicação Médica, vamos entender a importância da comunicação e…

2 dias atrás