Página Principal > Cardiologia > AHA 2018: vitamina D reduz risco cardiovascular e câncer?
CBMI 2018

AHA 2018: vitamina D reduz risco cardiovascular e câncer?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A vitamina D é classicamente prescrita para prevenir e tratar distúrbios ósseos, porém nos últimos anos, ela tem sido vista como uma estratégia potencial para prevenir câncer e doenças cardiovasculares. Em vários países, a avaliação rotineira do status da vitamina D em pacientes na atenção primária e o uso de suplementos de vitamina D3 aumentaram substancialmente. O Congresso AHA 2018, organizado pela American Heart Association, abordou este assunto, que rendeu a publicação de um artigo com novas informações sobre o tema no New England Journal of Medicine.

Foi realizado um estudo nacional, randomizado e controlado por placebo, com suplementação de vitamina D3 (colecalciferol) em uma dose de 2.000 UI por dia e ômega-3 em uma dose de 1 g por dia para a prevenção de câncer e doenças cardiovasculares entre homens de 50 anos ou mais e mulheres de 55 anos ou mais nos Estados Unidos.

Leia mais: Alzheimer: Vitamina D previne o comprometimento cognitivo?

Desfechos primários foram câncer invasivo de qualquer tipo e eventos cardiovasculares maiores (um composto de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral ou morte por causas cardiovasculares). Os desfechos secundários incluíram cânceres específicos do local, morte por câncer e eventos cardiovasculares adicionais.

No total, o estudo contou com 25.871 participantes, 5106 destes eram negros, que foram submetidos à randomização. Durante um acompanhamento médio de 5,3 anos, o câncer foi diagnosticado em 1617 participantes (793 no grupo da vitamina D e 824 no grupo do placebo; hazard ratio, 0,96; intervalo de confiança [IC] 95%, 0,88 a 1,06; P = 0,47 ). Um evento cardiovascular importante ocorreu em 805 participantes (396 no grupo da vitamina D e 409 no grupo do placebo; hazard ratio, 0,97; IC de 95%, 0,85 a 1,12; P = 0,69). Nenhum excesso de risco de hipercalcemia ou outros eventos adversos foram identificados.

O estudo concluiu que a suplementação com vitamina D3 (em uma dose de 2000 UI por dia), entre adultos inicialmente saudáveis, nos Estados Unidos, não levou a uma incidência significativamente menor de câncer ou eventos cardiovasculares maiores.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Dayanna de Oliveira Quintanilha

Médica no Hospital Naval Marcílio Dias ⦁ Residência em Clínica Médica na UFF ⦁ Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Contato: dayquintan@hotmail.com

Referências:

  • Vitamin D Supplements and Prevention of Cancer and Cardiovascular Disease. November 10, 2018 DOI: 10.1056/NEJMoa1809944

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.