Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / AHA 2019: qual a eficácia da monoterapia de ticagrelor na SCA?

AHA 2019: qual a eficácia da monoterapia de ticagrelor na SCA?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Em pacientes com síndrome coronariana aguda sem supraST (SCA SSST), existe a recomendação de dupla antiagregação plaquetária (DAPT) por até um ano após o evento, o que é ainda mais importante quando ocorre angioplastia como parte do tratamento. Por outro lado, a manutenção de DAPT por um período tão longo aumenta o risco de sangramento e da necessidade de interrupções temporárias, como em cirurgias de urgência.

Um estudo apresentado no congresso da American Heart Association (AHA) 2019 avaliou se a monoterapia com um dos inibidores da P2Y12, o ticagrelor, poderia ser tão eficaz quanto DAPT prolongada.

Leia também: AHA 2019: colchicina no tratamento do infarto agudo do miocárdio

Ticagrelor na síndrome coronariana aguda

O estudo TWILIGHT-ACS comparou ticagrelor versus ticagrelor+AAS do 3º ao 15º mês após SCA SSST submetidos à angioplastia. Atenção aqui!, a monoterapia foi só após o 3º mês do stent farmacológico, antes é sempre DAPT.

Foram excluídos pacientes multivasculares, lesões de tronco ou lesões muito complexas para angioplastia. A população tinha idade média 64 anos, 35% eram diabéticos e 23-26% fumavam.

Os resultados mostraram que no grupo com monoterapia de ticagrelor houve redução de mais de 50% no risco de sangramento, sem aumentar o risco de eventos trombóticos. Esse resultado é similar a estudos anteriores, o que evidencia a importância da DAPT no período mais crítico pós-stent farmacológico (3-6 meses) e o uso criterioso depois disso.

Receba as principais novidades em Cardiologia no seu Whatsapp! Inscreva-se em nosso grupo!

Autor:

Referência bibliográfica:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.