Página Principal > Cardiologia > AHA/ACC: novas diretrizes para manejo da valvopatia
animação de um coracao humano

AHA/ACC: novas diretrizes para manejo da valvopatia

Com base nas últimas evidências disponíveis, a American Heart Association (AHA) e a American College of Cardiology (ACC) publicaram uma nova diretriz para o manejo da valvopatia. Veja aqui os principais pontos e o link para o guideline completo.

  • É recomendada a profilaxia antibiótica antes dos procedimentos odontológicos para indivíduos com risco aumentado de endocardite infecciosa e para pacientes com implante percutâneo transvalvar aórtico (recomendação moderada)
  • Os novos anticoagulantes orais (NOACs) são agora considerados alternativas razoáveis ​​(recomendação moderada) aos antagonistas da vitamina K para pacientes com insuficiência cardíaca e fibrilação atrial (CHA2DS2-VASc escore ≥ 2); antagonistas da vitamina K são preferidos em pacientes com estenose mitral

Veja também: ‘Dúvidas sobre o uso de betabloqueadores em pacientes com IC e FA’

  • A substituição da válvula aórtica transcateter (TAVR) e cirurgia são recomendadas para pacientes com estenose aórtica grave e sintomática de alto risco para cirurgia (recomendação forte); os procedimentos receberam uma recomendação moderada para indivíduos em risco intermediário. As decisões de tratamento devem depender dos riscos, valores e preferências individuais dos pacientes.
  • Para a regurgitação mitral severa primária ou degenerativa, a cirurgia é considerada opção razoável (recomendação moderada) em pacientes assintomáticos, mesmo com fração de ejeção > 60% e diâmetro sistólico final do ventrículo esquerdo < 40 mm se progressão adversa for observada.
  • Na regurgitação mitral secundária (funcional) crônica, a substituição da válvula mitral é uma alternativa razoável à reparação de anuloplastia reduzida (recomendação moderada).
  • O limite de idade para considerar uma prótese mecânica é agora de 50 anos (recomendação moderada), a não ser que a anticoagulação não seja desejada, não possa ser monitorada ou esteja contra-indicada.
  • Antagonistas da vitamina K são considerados opção razoável para ≤ 6 meses após a substituição cirúrgica da valva mitral e aórtica em pacientes com baixo risco de sangramento (recomendação moderada) e ≥ 3 meses após TAVR (recomendação fraca). A terapia inicial com antagonistas da vitamina K é razoável em pacientes com trombose de válvula bioprostética suspeita ou confirmada e hemodinamicamente estáveis (recomendação moderada).
  • TAVR válvula-dentro-da válvula é ​​uma terapia razoável para estenose ou regurgitação de valva aórtica bioprotésica em pacientes com risco cirúrgico elevado ou proibitivo (recomendação moderada).

Para ver o guideline completo da AHA/ACC, clique aqui.

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.