Página Principal > Cardiologia > Álcool e cardiopatias: quem bebe ocasionalmente também está em risco!

Álcool e cardiopatias: quem bebe ocasionalmente também está em risco!

Enquanto alguns estudos sugerem que consumir álcool em níveis moderados pode prevenir incidentes de infarto do miocárdio e insuficiência cardíaca, outros indicam que mesmo níveis baixos a moderados de álcool aumentam a ocorrência de fibrilação atrial. Um novo artigo analisou mais a fundo a relação entre o abuso de álcool e risco de cardiopatias.

Utilizando um banco de dados da Califórnia, nos EUA, pesquisadores realizaram uma análise longitudinal da população ≥ 21 anos de idade, que receberam cirurgia ambulatória, emergência ou cuidados médicos intra-hospitalares entre 2005 e 2009. A novidade deste estudo foi analisar o risco do consumo abusivo – muita quantidade ocasionalmente – e não o alcoolismo.

Veja também: ‘Pesquisadores associam consumo de álcool a risco de câncer’

Entre os quase 15 milhões de pacientes, 268 mil (1,8%) apresentaram abuso de álcool. Após o ajuste multivariável, o consumo abusivo foi associado a um risco aumentado de incidência de fibrilação atrial (HR: 2,14, IC 95%: 2,08 a 2,19; p <0,0001), infarto do miocárdio (HR: 1,45; IC 95%: 1,40 a 1,51; p <0,0001) e insuficiência cardíaca (HR: 2,34; IC 95%: 2,29 a 2,39; p <0,0001).

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Nas análises de interação, indivíduos sem fatores de risco convencionais para doença cardiovascular apresentaram um risco desproporcionalmente aumentado de cada resultado.

E mais: ‘A evolução no tratamento do alcoolismo’

O abuso de álcool aumentou o risco de fibrilação atrial, infarto do miocárdio e insuficiência cardíaca para um grau semelhante ao de outros fatores de risco bem estabelecidos. Indivíduos sem fatores de risco tradicionais são desproporcionalmente propensos a cardiopatias no contexto de abuso de álcool.

Referências:

  • Alcohol Abuse and Cardiac Disease. Journal of the American College of Cardiology. Volume 69, Issue 1, January 2017. DOI: 10.1016/j.jacc.2016.10.048

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.