Página Principal > Cardiologia > Angioplastia precoce no IAMSSST é benéfica para pacientes de alto risco
IAMSSST

Angioplastia precoce no IAMSSST é benéfica para pacientes de alto risco

Tempo de leitura: 2 minutos.

Um estudo apresentado durante o congresso ESC 2018, realizado em agosto na Alemanha, e publicado na American College of Cardiology, comprovou que as estratégias invasivas precoces em indivíduos com infarto agudo do miocárdio sem supradesnível do segmento ST (IAMSSST) são eficazes nos casos em que o risco de morte é alto. O Very EaRly vs Deferred Invasive evaluation using Computerized Tomography (VERDICT) procurou investigar se os procedimentos invasivos precoces são tão efetivos no salvamento dos pacientes se comparados com as estratégias invasivas tardias.

Método

O estudo foi realizado com 2.147 participantes, com média de idade em torno de 64 anos; 77% eram homens e 23% mulheres. Os enfermos foram divididos de forma aleatória em dois grupos, um grupo de 1.075 indivíduos recebeu tratamento com estratégias invasivas precoces nas primeiras 12 horas, outro com 1.072 pessoas foi tratado com terapia invasiva tardia no prazo entre 48-72 horas.

Leia mais: Estratégia invasiva precoce versus tardia em SCA sem elevação do segmento ST

Obs: Todos os participantes da pesquisa foram medicados com Clopidogrel 600 mg, Ticagrelor 180 mg, Aspirina 300 mg, betabloqueadores ministrados via oral e Fondaparinux aplicado subcutaneamente. Para o procedimento, 84% do primeiro grupo tiveram acesso via femoral, no segundo grupo o percentual foi de 80%.

Critérios

A pesquisa descartou pessoas com IAMSSST menores de 18 anos, mulheres grávidas, as sem condições de consentir com a participação no VERDICT ou as que já foram tratadas anteriormente com o procedimento, seja precoce ou tardio.

Resultados

O infarto agudo do miocárdio (IAM), a insuficiência cardíaca e a isquemia foram a principal causa de morte entre 27,5% dos pacientes do grupo tratado com terapia precoce enquanto no outro grupo o percentual foi de 29,5% (p=0,29). Nos enfermos que deram entrada no hospital com índice de risco GRACE >140, as terapias invasivas precoces diminuíram a probabilidade de complicações cardíacas (hazard ratio [HR], 0.81; 95% intervalo de confiança [IC], 0.67-1.01) se comparadas com os pacientes cujo GRACE escore era ≤140 (HR, 1.21; 95% IC, 0.92-1.60).

Os resultados não identificaram diferenças relevantes entre os dois grupos de pacientes com IAMSSST tratados com estratégias precoces ou tardias, mas comprovaram que em casos de alto risco o procedimento nas primeiras horas pode ser essencial para salvar a vida do paciente.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

Referências:

  • Kofoed KF, Kelbæk H, Hansen PR, et al. Early Versus Standard Care Invasive Examination and Treatment of Patients with Non-ST-Segment Elevation Acute Coronary Syndrome: The VERDICT (Very EaRly vs Deferred Invasive evaluation using Computerized Tomography) – Randomized Controlled Trial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.