Aplicativos (apps) de rastreamento para Covid-19 são bons? - PEBMED

Aplicativos (apps) de rastreamento para Covid-19 são bons?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um estudo do departamento de economia da universidade Oxford, publicado em 21 de janeiro pela pesquisadora Séverine Toussaert, revela que na tentativa de conter a pandemia de Covid-19, diversos países em todo mundo iniciaram o desenvolvimento de aplicativos (apps) de rastreamento, que possam ser úteis no combate à doença. O desenvolvimento de apps de rastreamento de pessoas infectadas pode ser um grande avanço no combate ao novo coronavírus. No entanto, com baixa taxa de instalação dos Apps a ferramenta apresenta baixa eficácia.

O desenvolvimento de apps de rastreamento de pessoas infectadas com coronavírus pode ajudar no combate à doença?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Poder dos apps de rastreamento

De acordo com a pesquisadora, alguns estudos mostram que um sistema robusto de rastreamento de contato é fundamental para limitar a disseminação do vírus, como revela (ALTMANN, at.al, 2020). O uso dos apps de rastreamento funciona da seguinte forma: todos os contatos próximos de uma pessoa infectada devem ser alertados. A partir da notificação de caso confirmado, de maneira quase que instantânea, os usuários dos aplicativos podem ser avisados. O custo da medida seria muito baixo e a resolutividade seria incrível. O app poderia impedir a propagação da doença e avisar aos que tiveram contato direto com o infectado sobre o ocorrido, facilitando o rastreamento de novos casos.

O estudo apontou como um dos principais problemas, a privacidade. Mesmo os apps de rastreamento possuindo aceitação do público em geral nos diversos países, as visões sobre a privacidade eram variadas. Observando a aceitação do uso da tecnologia de rastreamento em estudos iniciais, muitos países ao redor do mundo começaram a desenvolver seus próprios apps de rastreamento, mas a taxa de instalação dos aplicativos permaneceu baixas na maioria, um desafio para esses países.

Há uma lacuna entre as intenções desveladas pela população sobre instalar o app em relação a utilização, o que é um problema, uma vez que o rastreamento de contato é um dos pré-requisitos para o controle de Covid-19 nessa proposta. Compreendendo essa importância, o artigo revela que ainda sabe-se pouco sobre os determinantes sobre a aceitação real de apps de rastreamento de contato, barreiras para sua instalação e utilização e como podem ser superadas.

O estudo revela que Munzert e.al. (2021), discutem o enfrentamento de barreiras para a aceitação do app e sua eficácia relacionada a taxa de absorção da população. Esse estudo, longitudinal, avaliou na Alemanha, por um período de cem dias, de forma cuidadosa, acerca da aceitação e uso de um app oficial de rastreamento. O estudo revelou que a captação do app foi mais prevalente entre população com idades superiores e em pessoas com condições pré-mórbidas e menos prevalente entre pessoas com maior grau de exposição social. Esse estudo contrasta com achados nos estudos de Altmann, S. et al (2020) e de Guillon & Kergall (2020) que sugeriram que a população mais jovem está mais inclinada a instalar aplicativo dessa natureza. Esta população é a que tem maior probabilidade de transmissão e seria a população mais pretendida.

A aceitação do app foi maior em entrevistados que confiam no governo nacional. Esse dado é importante, pois reforça a necessidade de discussão do caminhar do discurso do governo junto a ciência, o que não acontece em relação à Covid-19 no Brasil, por exemplo. A absorção relacionada a utilização foi investigada em dois estudos experimentais randomizados. O primeiro foi uma intervenção de informação, que exigiu que os entrevistados assistissem um vídeo sobre o aplicativo, com informações sobre a funcionalidade e a privacidade dos dados, dando ênfase aos benefícios para população de risco e para os próprios participantes. Ao final, não houve impacto perceptível na aceitação do aplicativo.

O outro experimento investigou o impacto ao fornecer incentivos financeiros mínimos para a instalação, (€ 1, € 2 ou € 5). Mesmo com um incentivo baixo, esta intervenção gerou um impacto considerável na aceitação do app. Aumentou 17 pontos percentuais em relação a utilização. Esse estudo também mostrou que a população mais jovem aderiu a estratégia. Os dois estudos levam a resultados que geram dúvidas sobre a eficácia atual do uso dos apps de rastreamento, mas revelam que a aceitação poderia ser aumentada com uma intervenção modesta. Pessoas com maior exposição aceitaram mais o incentivo que a simples educação por meio de vídeos explicativos sobre a importância.

Concluindo

Indubitavelmente o uso do app apresenta boas respostas quando utilizados. No entanto, barreiras devem ser minimizadas, por isso o estudo revela a necessidade de mais estudos sobre a temática. Pode ser que a amostra não seja representativa da população geral e os dados de rastreamento móvel apenas estavam disponíveis para usuários de smartphone mais novos, como requisito tecnólogico. Esses fatos podem alterar o resultado de estudos posteriores caso sejam realizados de forma diversa. Dados os poucos estudos, acredita-se que mais estudos sobre a eficácia das ferramentas e quanto ao rastreamento devem ser realizados para a solidificação desta tecnologia.

Veja mais artigos do autor

No Brasil, tal ferramenta poderia ser muito bem empregada, mas as questões que o estudo discute são um desafio. A privacidade e a questão do incentivo precisariam ser melhores discutidas para uma possível efetivação da tecnologia como medida de prevenção de Covid-19. O recurso também pode ser benéfico, no sentido de identificar no rastreamento de infectados, no isolamento de áreas e na educação em saúde de áreas com maior prevalência. A unificação da informação utilizando a inteligência artificial, apresentando informações nas áreas por meio de mapa, pode ser uma solução para identificação dos casos e para a realização das medidas de isolamento e distanciamento. No entanto, o problema da privacidade poderia ser pauta de uma discussão ampla com os diversos atores sociais, na tentativa da busca de soluções para o enfrentamento da doença.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Toussaert, S. Upping uptake of COVID contact tracing apps. Nat Hum Behav (2021). https://doi.org/10.1038/s41562-021-01048-1
  • Altmann S, at.al. Acceptability of App-Based Contact Tracing for COVID-19: Cross-Country Survey Study JMIR Mhealth Uhealth 2020;8(8):e19857 https://doi.org/10.2196/19857
  • Guillon, M. & Kergall, P. How science can put the Sustainable Development Goals back on track Public Health 188, 21–31, 2020. https://doi.org/10.1038/d41586-021-00104-0
  • Munzert, S., Selb, P., Gohdes, A., Stoetzer, L. & Lowe, W. Tracking and promoting the usage of a COVID-19 contact tracing appNat. Human Behav. https://doi.org/10.1038/s41562-020-01044-x

 

 

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar