Artralgia: Pesquisadores avaliam seu impacto persistente pós-chikungunya - PEBMED

Artralgia: Pesquisadores avaliam seu impacto persistente pós-chikungunya

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Os fatores de risco para artralgia persistente em pacientes com chikungunya e o seu impacto nas atividades cotidianas foram investigados pelos pesquisadores do Instituto Gonçalo Moniz, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) da Bahia.  

O estudo, publicado no dia 5 de março no periódico International Journal of Infectious Disease, apontou que em uma coorte de 153 voluntários de Salvador com diagnóstico da doença, 42,5% se queixavam de dores nas articulações após três meses do início da chikungunya e 30,7% sentiam o mesmo efeito mesmo após um ano e meio.

Vale ressaltar que 93,8% daqueles que permaneceram com dor articular por mais de três meses relataram ter limitações nas atividades diárias, como pentear o cabelo e vestir a roupa, e 61,5% afirmaram sentir sofrimento mental, como alterações no humor e sinais de depressão.

artralgia persistente pela chikungunya

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Método utilizado

De setembro de 2014 a julho de 2016, o estudo de vigilância envolveu pacientes com doença febril aguda em Salvador, detectando pacientes com infecção pelo vírus chikungunya usando o ensaio imunoenzimático IgM ou reação em cadeia da polimerase de transcriptase reversa. O acompanhamento foi realizado por telefone para verificar a progressão da enfermidade.

Dos 153 casos acompanhados, 65 (42,5%) relataram artralgia crônica que durou > 3 meses, e 47 (30,7%) ainda eram sintomáticos no momento da entrevista (1,5 ano após o início dos sintomas).

Limitações nas atividades diárias e sofrimento mental foram relatados por 93,8% e 61,5% daqueles com artralgia crônica, respectivamente. Sexo feminino [razão de risco (RR) 1,79, intervalo de confiança de 95% (IC) 1,95–2,69] e idade (RR 1,02 para cada aumento de um ano, IC 95% 1,01–1,03) foram fatores de risco independentes para artralgia crônica.

A artralgia crônica não foi associada à coinfecção com o vírus da dengue (RR 0,97, IC 95% 0,48-1,94) ou carga viral de chikungunya no diagnóstico (RNA do vírus chikungunya mediano de 5,60 e 5,52 log 10 cópias / μL para aqueles com e sem artralgia crônica , respectivamente; P = 0,75).

Maior risco de dor crônica

A artralgia é um dos sintomas mais frequentes da infecção por chikungunya durante a fase aguda da enfermidade. Passada a fase inicial, os sintomas podem desaparecer completamente ou evoluir para artralgia contínua, que persistindo por três meses ou mais é classificada como crônica. Neste estudo, o sexo feminino e a idade foram apontados como os maiores fatores de risco para a dor persistente.

Segundo os autores do artigo, o maior risco de dor crônica observado entre as mulheres pode ser devido a fatores biológicos e psicossociais. Do ponto de vista biológico, as diferenças hormonais entre os sexos podem influenciar a resposta aos estímulos de dor. Especialmente em mulheres mais velhas, alguns estudos observaram que as mudanças hormonais podem afetar o sistema imunológico e influenciar a gravidade da dor nas articulações.

Saiba mais: Infecção prévia por zika pode estar relacionado ao risco de dengue grave?

O trabalho também demonstrou que o acesso a cuidados especializados multidisciplinares, como fisioterapia, reumatologia e psicologia, foi baixo entre os participantes do estudo, provavelmente em decorrência da oferta limitada desses serviços no Sistema Único de Saúde (SUS) e da impossibilidade de aquisição no atendimento particular.

Por conta desses resultados, “o desenvolvimento de novas estratégias para mitigar a transmissão da chikungunya e o fornecimento de assistência médica de longo prazo para esses pacientes é urgente”, aponta o estudo.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas: 

 

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar