Artralgia: Pesquisadores avaliam seu impacto persistente pós-chikungunya

Tempo de leitura: 3 min.

Os fatores de risco para artralgia persistente em pacientes com chikungunya e o seu impacto nas atividades cotidianas foram investigados pelos pesquisadores do Instituto Gonçalo Moniz, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) da Bahia.  

O estudo, publicado no dia 5 de março no periódico International Journal of Infectious Disease, apontou que em uma coorte de 153 voluntários de Salvador com diagnóstico da doença, 42,5% se queixavam de dores nas articulações após três meses do início da chikungunya e 30,7% sentiam o mesmo efeito mesmo após um ano e meio.

Vale ressaltar que 93,8% daqueles que permaneceram com dor articular por mais de três meses relataram ter limitações nas atividades diárias, como pentear o cabelo e vestir a roupa, e 61,5% afirmaram sentir sofrimento mental, como alterações no humor e sinais de depressão.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Método utilizado

De setembro de 2014 a julho de 2016, o estudo de vigilância envolveu pacientes com doença febril aguda em Salvador, detectando pacientes com infecção pelo vírus chikungunya usando o ensaio imunoenzimático IgM ou reação em cadeia da polimerase de transcriptase reversa. O acompanhamento foi realizado por telefone para verificar a progressão da enfermidade.

Dos 153 casos acompanhados, 65 (42,5%) relataram artralgia crônica que durou > 3 meses, e 47 (30,7%) ainda eram sintomáticos no momento da entrevista (1,5 ano após o início dos sintomas).

Limitações nas atividades diárias e sofrimento mental foram relatados por 93,8% e 61,5% daqueles com artralgia crônica, respectivamente. Sexo feminino [razão de risco (RR) 1,79, intervalo de confiança de 95% (IC) 1,95–2,69] e idade (RR 1,02 para cada aumento de um ano, IC 95% 1,01–1,03) foram fatores de risco independentes para artralgia crônica.

A artralgia crônica não foi associada à coinfecção com o vírus da dengue (RR 0,97, IC 95% 0,48-1,94) ou carga viral de chikungunya no diagnóstico (RNA do vírus chikungunya mediano de 5,60 e 5,52 log 10 cópias / μL para aqueles com e sem artralgia crônica , respectivamente; P = 0,75).

Maior risco de dor crônica

A artralgia é um dos sintomas mais frequentes da infecção por chikungunya durante a fase aguda da enfermidade. Passada a fase inicial, os sintomas podem desaparecer completamente ou evoluir para artralgia contínua, que persistindo por três meses ou mais é classificada como crônica. Neste estudo, o sexo feminino e a idade foram apontados como os maiores fatores de risco para a dor persistente.

Segundo os autores do artigo, o maior risco de dor crônica observado entre as mulheres pode ser devido a fatores biológicos e psicossociais. Do ponto de vista biológico, as diferenças hormonais entre os sexos podem influenciar a resposta aos estímulos de dor. Especialmente em mulheres mais velhas, alguns estudos observaram que as mudanças hormonais podem afetar o sistema imunológico e influenciar a gravidade da dor nas articulações.

Saiba mais: Infecção prévia por zika pode estar relacionado ao risco de dengue grave?

O trabalho também demonstrou que o acesso a cuidados especializados multidisciplinares, como fisioterapia, reumatologia e psicologia, foi baixo entre os participantes do estudo, provavelmente em decorrência da oferta limitada desses serviços no Sistema Único de Saúde (SUS) e da impossibilidade de aquisição no atendimento particular.

Por conta desses resultados, “o desenvolvimento de novas estratégias para mitigar a transmissão da chikungunya e o fornecimento de assistência médica de longo prazo para esses pacientes é urgente”, aponta o estudo.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas: 

 

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Podemos utilizar corticoides na síndrome inflamatória multissistêmica em pediatria?

Um estudo britânico concluiu que os corticoides podem ser um tratamento eficaz para crianças com…

13 horas atrás

Novas diretrizes do ACR para o tratamento da artrite reumatoide (AR)

A artrite reumatoide (AR) é uma das artropatias inflamatórias mais prevalentes, acometendo preferencialmente mulheres entre…

14 horas atrás

Tratamento inovador para mutação de câncer de pulmão é aprovado no Brasil

Foi aprovada pela Anvisa o Tabrecta, tratamento para câncer de pulmão metastático de células não…

15 horas atrás

Terapia de anticorpos não demonstra eficácia na prevenção pós-exposição por Covid-19

Nesta semana, a farmacêutica AstraZeneca anunciou que sua terapia de anticorpos para Covid-19 não teve…

16 horas atrás

Noradrenalina perioperatória em acesso periférico

Uma revisão extensa de dados mostrou que a noradrenalina pode ser administrada em acesso venoso…

17 horas atrás

Inteligência artificial no rastreamento de câncer de mama

Diversos países implementaram programas de rastreamento do câncer de mama para diagnosticar a doença o…

18 horas atrás