Leia mais:
Leia mais:
Quiz: paciente 15 anos, sexo masculino, pé cavo com dor. O que será?
Uso de cetamina intranasal na dor aguda em setor de emergência pediátrica
Fumantes e ex-fumantes têm mais sensibilidade à dor?
O uso do tramadol no controle da dor é bom para quem?
Sociedade Americana de Dor é forçada a encerrar atividades após acusações

As alterações radiológicas acompanham a clínica na dor lombar baixa?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A dor lombar baixa é altamente prevalente, sendo a principal causa de afastamento do trabalho pelas últimas 3 décadas além de liderar as causas de busca de atendimentos na Atenção Primária e Emergências. A utilização de exames de imagem de rotina não é indicada a menos que o paciente apresente sinais de alarme. Entretanto, a solicitação desses exames chega a 25% nos atendimento em Emergências.

De 1995 a 2017 houve crescimento de 53% nas solicitações de exames complexos como tomografia computadorizada e ressonância magnética contribuindo para a “pseudodoença”, que está associada a intervenções desnecessárias e efeitos adversos. Um estudo de coorte publicado recentemente no Journal of the American Medical Association buscou examinar associações transversais e longitudinais entre alterações radiológicas e gravidade da dor lombar em mulheres de meia-idade de uma comunidade britânica.

Leia também: Dor lombar aguda: relaxantes musculares têm benefícios?

As alterações radiológicas acompanham a clínica na dor lombar baixa?

O Estudo

Foram examinadas 1.003 mulheres entre 45 e 64 anos moradoras do bairro de Chingford, no leste de Londres, entre 1989 e 1991 com objetivo de elaborar um estudo populacional de doenças musculoesqueléticas. Entre 1994 e 1996 foram colhidos dados sobre atividade física, enquanto os dados de exames de imagem, outras covariáveis e os desfechos da análise transversal foram colhidos entre 1997 e 1999 (linha de base do estudo). O desfecho da análise longitudinal foi obtido entre 2003 e 2005.

Os pacientes tiveram a coluna lombar radiografadas e avaliadas por um escore composto pelo método semiquantitativo de Lane e classificação de Kellgren-Lawrence (K-L), levando em consideração o espaço intervertebral (discal), osteofitose e esclerose do osso. Esse escore teve uma representação binária, sendo 1 para osteófito definido e redução do espaço discal e 0 sem osteofitose ou redução do espaço discal. Essa avaliação foi realizada em cada um dos espaços lombares (L1-L2 +L2-L3+L3-L4+L4-L5) e somada poderia chegar ao valor máximo de 4. 

O desfecho “incapacidade relacionada à dor lombar” foi avaliado pelo questionário St Thomas nos anos de 1998 e 2004. Além disso, covariáveis como idade, IMC, tabagismo, uso de bifosfonados e atividade física também foram avaliadas.

Saiba mais: Amitriptilina tem eficácia no tratamento da dor lombar crônica?

As pacientes que tiveram mais alterações radiográficas classificadas pelo escore composto não apresentaram diferença estatística em relação às menos acometidas quando avaliadas pelo questionário na análise transversal (OR 0,83; IC 95%, 0,57 – 1,22) ou longitudinal. A análise de covariáveis também não demonstrou diferenças significativas entre os grupos.

Conclusōes

Esse estudo de coorte tem como pontos fortes o fato de apresentar uma boa amostra e principalmente também fazer análise de covariáveis que poderiam ser importantes fatores de confundimento. Afim de reduzir as limitações, os próximos estudos relacionados ao tema poderiam utilizar uma faixa etária mais ampla, maior variedade étnica e contemplar ambos os sexos. De toda forma, a pesquisa é capaz de fortalecer a teoria de que as alterações radiológicas não acompanham a clínica nos casos de dor lombar baixa.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Chen L, Perera RS, Radojcic MR, Beckenkamp PR, Ferreira PH, Hart DJ, Spector TD, Arden NK, Ferreira ML. Association of Lumbar Spine Radiographic Changes With Severity of Back Pain-Related Disability Among Middle-aged, Community-Dwelling Women. JAMA Netw Open. 2021 May 3;4(5):e2110715. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2021.10715
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.