Atualização da conduta em casos de rotura prematura de membranas ovulares (RPMO)

Tempo de leitura: 2 min.

A rotura prematura de membranas ovulares (RPMO) é caracterizada pela rotura das membranas na ausência de trabalho de parto, que ocorre antes de 37 semanas. A conduta em cada caso irá depender de diversos fatores, como: idade gestacional e patologias associadas (ex.: infecção, descolamento de placenta, alteração dos parâmetros fetais, etc).

Leia também: Confira diretriz da ACOG para minimizar intervenções no trabalho de parto

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Orientações para rotura prematura de membranas ovulares

Em março de 2020, o Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia (ACOG) lançou um boletim ratificando orientações prévias e flexibilizando algumas. Pacientes com idade gestacional entre 24 semanas e 33 semana e 6 dias, a orientação segue sendo realizar antibioterapia de latência, uma dose de corticoide, sulfato de magnésio para neuroproteçãao em idade gestacional inferior a 32 semanas, profilaxia para Streptococcus do grupo B (GBS) — caso indicado, e conduta expectante, não devendo ser realizada a indução do parto.

Em gestantes com idade gestacional entre 34 e 36 semanas e 6 dias, a conduta consiste em dose única de corticoide — caso não tenha recebido e profilaxia para GBS — caso indicado. Todavia, uma mudança evidenciada por esse boletim foi na conduta a ser tomada quanto a indução do parto, uma vez que em guidelines prévios a orientação era a indução do parto, porém nessa ultima atualização a ACOG tornou-se mais flexível sendo possível realizar a conduta ativa (indução do parto) ou expectante (na ausência de sinais de infecção), a condução do caso irá ser determinada pelo obstetra.

Mensagem final

Contudo, é importante lembrar que a conduta expectante em gestantes com RPMO com idade gestacional entre 34 semanas e 36 semanas e 6 dias, só pode ser realizada na ausência de sinais infecciosos, o caso deve ser discutido com a paciente e explicado todos os riscos para que assim o profissional de saúde tenha a responsabilidade dividida.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • American College of Obstetricians and Gynecologists. Premature Rupture of Membranes. Practice Bulletin. Obstet. Gynecol. 2020; 217;135:e89-97.
Compartilhar
Publicado por
Camilla Luna

Posts recentes

STRIDE II: o que há de novo nos alvos terapêuticos das doenças inflamatórias intestinais?

A IOIBD publicou, recentemente, uma atualização dos alvos terapêuticos das doenças inflamatórias intestinais. Saiba mais.

41 minutos atrás

Vacina HPV: câncer cervical diminui incidência, mas outros cânceres induzidos aumentam

Apesar das regressões de cânceres cervicais, o aumento de neoplasias de outros sítios também relacionadas…

2 horas atrás

Medidas de proteção contra Covid-19 podem alterar a incidência de outras doenças

Com o início da pandemia de Covid-19, várias medidas de proteção têm sido estabelecidas com…

3 horas atrás

Como a vacina da Pfizer contra Covid-19 se comporta em pacientes com doenças reumáticas?

Diversas vacinas têm sido utilizadas no combate à pandemia da Covid-19, dentre elas, a vacina…

5 horas atrás

Médicos e pacientes devem notificar efeitos adversos das vacinas para a Anvisa

Médicos e pacientes devem notificar os efeitos adversos das vacinas no portal da Agência Nacional…

6 horas atrás

A relevância da vacinação contra a gripe durante a pandemia da Covid-19

A vacinação contra gripe é uma estratégia eficaz no combate à doença que ganha ainda…

7 horas atrás