Página Principal > Infectologia > Benefícios e riscos da profilaxia antibiótica combinada perioperatória
medico recebendo uma tesoura para fazer cirurgia

Benefícios e riscos da profilaxia antibiótica combinada perioperatória

Tempo de leitura: 3 minutos

A infecção de sítio cirúrgico permanece nos dias atuais como um dos principais riscos à segurança dos pacientes nos serviços de saúde. São infecções relacionadas a procedimentos cirúrgicos, com ou sem colocação de implantes, em pacientes internados e ambulatoriais. É uma complicação pós-operatória onerosa e altamente mórbida que pode ser prevenida com profilaxia antibiótica pré-operatória.

O uso de profilaxia antibiótica de fármaco único é recomendado em diretrizes clínicas, mas as taxas crescentes de infecções resistentes a antibióticos aumentaram o questionamento sobre se os regimes de profilaxia antibiótica devem ser expandidos para a melhor cobertura dos organismos resistentes.

Um estudo, recentemente publicado na Plos One, comparou os resultados pós-operatórios após a administração de dois antimicrobianos versus um único agente para a prevenção de infecções do sítio cirúrgico. Adicionalmente, foi avaliado se o uso de profilaxia antimicrobiana expandida resulta em outros danos, como aumento na infecção pós-operatória de Clostridium difficile ou insuficiência renal aguda.

Usando uma coorte multicêntrica dos Estados Unidos, foram incluídos todos os pacientes submetidos à procedimentos (cardíacos, vasculares, ortopédicos, ou de histerectomia) durante o período de 1 de outubro de 2008 a 30 de setembro de 2013 e que receberam β-lactâmicos, vancomicina ou ambos.

Veja também: ‘Lavar as mãos com álcool ou antimicrobianos? Diretriz da OMS responde’

No total, foram incluídos 70.101 procedimentos (52.504 de β-lactâmicos, 5.089 de vancomicina e 12.508 de ambos). Foram identificadas 2.466 (3,5%) infecções do sítio cirúrgico em todos os tipos cirúrgicos.

Entre os pacientes que realizaram procedimentos cardíacos, a profilaxia combinada foi associada com menor incidência de infecções do sítio cirúrgico (0,95%) versus a profilaxia de agente único (1,48%) (razão de risco [RR]: 0,64; intervalo de confiança [IC] de 95%: 0,49 a 0,85; RR ajustado: 0,61; IC 95%: 0,46 a 0,83).

Após o ajuste pelo risco de infecções do sítio cirúrgico, nenhuma associação entre o recebimento de profilaxia combinada e infecções do sítio cirúrgico foi encontrada para os outros tipos de cirurgias avaliadas.

Em pacientes colonizados por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina (MRSA) submetidos à cirurgia cardíaca, infecções do sítio cirúrgico ocorreram em 2,3% dos pacientes que receberam profilaxia combinada versus 4,0% daqueles que receberam vancomicina isoladamente (RR: 0,58; IC 95%: 0,18 a 1,88).

Entre pacientes submetidos à cirurgia cardíaca e com MRSA negativo ou desconhecido, infecções do sítio cirúrgico ocorreram em 0,9% dos pacientes que receberam profilaxia combinada versus 1,4% daqueles que receberam β-lactâmicos em monoterapia (RR: 0,61; IC 95%: 0,45 a 0,83).

Em relação a incidência de infecção pelo Clostridium difficile, esta foi semelhante em ambos os grupos de exposição.

Em todos os tipos de procedimentos cirúrgicos, o risco de insuficiência renal aguda aumentou no grupo de profilaxia antimicrobiana combinada (23,8% recebendo combinação versus 20,8% recebendo vancomicina versus 13,9% recebendo β-lactâmicos). Foi observada uma associação significativa entre o risco absoluto de insuficiência renal aguda e o uso de regimes de combinação em todos os tipos de procedimentos.

Com base nesses resultados, conclui-se que a profilaxia combinada foi associada com benefícios (redução nas infecções do sítio cirúrgico após procedimentos cirúrgicos cardíacos) e danos (aumento da insuficiência renal aguda pós-operatória). Em pacientes com cirurgia cardíaca, a diferença de perfil de risco/benefício pelo status de MRSA sugere que a profilaxia dirigida por rastreio de MRSA pode otimizar os benefícios e minimizar os danos neste subgrupo de pacientes.

Ressalta-se, portanto, que os benefícios e os prejuízos da profilaxia combinada para reduzir as infecções do sítio cirúrgico devem ser ponderadas antes de implementar esta intervenção em grande escala.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Autora:

Referências:

  • Branch-Elliman W, Ripollone JE, O’Brien WJ, Itani KMF, Schweizer ML, Perencevich E, et al. (2017) Risk of surgical site infection, acute kidney injury, and Clostridium difficile infection following antibiotic prophylaxis with vancomycin plus a beta-lactam versus either drug alone: A national propensity-score-adjusted retrospective cohortstudy. PLoS Med 14(7): e1002340. https://doi.org/ 10.1371/journal.pmed.1002340

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.