Leia mais:
Leia mais:
Boas práticas em cardiologia e urgências cardiovasculares são implementadas em hospitais e UPAs
Crise hipertensiva: urgência ou emergência? [podcast]
O implante de tela de forma profilática diminui as complicações em cirurgias de urgência?

Boas práticas em cardiologia e urgências cardiovasculares são implementadas em hospitais e UPAs

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Para reduzir os índices de mortalidade de doenças cardiovasculares no país, o Ministério da Saúde desenvolveu um programa de boas práticas na atenção à cardiologia e urgências cardiovasculares nos hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24h) do país.

O programa é oferecido em 150 unidades de pronto-atendimento 24h, além de 15 hospitais de todas as regiões brasileiras em parceria com Hospital do Coração (Hcor), em São Paulo.

As capacitações são destinadas a todos os profissionais envolvidos no atendimento ao paciente com doenças cardiovasculares, como médicos, enfermeiros e fisioterapeutas.

“A pasta trabalha para qualificar e melhorar os serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O apoio à implantação da Linha de Atenção em Urgências Cardiovasculares visa garantir que o paciente com infarto agudo do miocárdio com supra de ST (IAM c/SST) receba a terapia de reperfusão em tempo adequado, com acesso à terapia intensiva e ao tratamento e estratificação complementares”, explicou a diretora do Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e Urgência do Ministério da Saúde, Adriana Melo Teixeira, em entrevista ao portal do Ministério da Saúde.

Leia também: OPAS: Novas metas para reduzir o consumo de sal e ajudar a prevenir doenças cardiovasculares são recomendadas

Saiba mais sobre o projeto

O projeto é dividido em dois núcleos com duração de 13 meses cada:

  1. Pré-hospitalar realizado em 150 UPAs 24h;
  2. Quinze hospitais de todas as regiões do país.

Ambos visam apoiar o monitoramento da prática clínica em urgências cardiovasculares e a implementação de diretrizes assistenciais em síndrome coronariana aguda.

No Triênio 2021-2023, o núcleo de eletrocardiograma do projeto vai beneficiar as UPAs 24h da rede de atenção às urgências. As instituições hospitalares foram selecionadas geograficamente com o objetivo de cobrir os vazios assistenciais do país.

Benefícios ao SUS

O projeto impacta diretamente na estruturação do SUS e nos pacientes atendidos, o que reflete na adesão ao tratamento de infarto agudo do miocárdio preconizado pelas principais diretrizes e na melhora nos tempos de atendimento inicial, mensurados por três indicadores:

  1. Porta-ECG: momento de chegada do paciente à UPA até a realização do eletrocardiograma;
  2. Porta-agulha: tempo de chegada do paciente até o recebimento do trombolítico;
  3. Porta-balão: tempo de chegada do paciente até a realização da angioplastia.

Com isso, as unidades hospitalares e as UPAs 24h ganham em termos de redução de internação, morbidade, mortalidade e até mesmo custos.

Além do acompanhamento para compreender a situação de cada unidade, os gestores realizam reuniões mensais com relatórios para as UPAs e hospitais públicos, e seus respectivos gestores e sessões de aprendizagem virtual através de aulas online ao vivo.

Veja mais: AHA 2021: consumo de café tem relação com arritmias cardíacas e outros fatores?

A líder do projeto e cardiologista do Hcor, Camila Rocon, ressaltou que o infarto agudo do miocárdio pode estar relacionado à insuficiência cardíaca, aparecimento de arritmias e AVC, o que eleva as chances de internação e risco de óbito.

“Atender precocemente esses pacientes resulta em melhores resultados, menor morbidade e menor mortalidade para esses pacientes. Tempo é músculo, como se diz na cardiologia. A área que deixa de ser irrigada no coração pode morrer e, se não for abordada precocemente, aquela área não volta a funcionar e o paciente poderá ter muitas complicações”, concluiu.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.