Página Principal > Medicina Interna > Burnout: quase metade dos médicos na Residência sofre com o distúrbio
burnout

Burnout: quase metade dos médicos na Residência sofre com o distúrbio

Tempo de leitura: 2 minutos.

A síndrome de Burnout, caracterizada pelo esgotamento no trabalho, é um distúrbio que atinge 32% dos profissionais ativos no mercado, de acordo com a International Stress Management Association. Deste percentual, estima-se que mais da metade seja composta por médicos. Uma pesquisa realizada em 2015 revelou que mais de 50% dos médicos possuíam um ou mais sintomas do excesso de estresse.

O distúrbio pode acometer o profissional de saúde em todas as fases da carreira, tanto no começo quanto no auge da profissão. Um estudo realizado entre 2010 e 2011, e publicado no começo de outubro na revista Jama Network mostrou que os riscos de desenvolvimento da síndrome de Burnout são altos também em estudantes de Medicina e médicos na Residência. O levantamento contou com 3.588 participantes que responderam dois questionários, no primeiro os indivíduos estavam no quarto ano da graduação em Medicina, no segundo os participantes estavam no último ano da Residência. Os desfechos primários observados foram sintomas de Burnout e arrependimento na escolha da carreira ou da especialidade.

Leia mais: Burnout: A tragédia anunciada do médico moderno

Manifestações clínicas da síndrome foram reportadas por 1615 médicos residentes (45,2%; IC 95%, [43,6%-46,8%]) que informaram sofrer de um ou mais sintomas semanalmente, e 502 médicos residentes relataram se arrepender da escolha da especialidade ou da carreira.  (14,1%; IC 95% [12.9%-15.2%). Na Residência, as especialidades que mais tiveram indivíduos insatisfeitos foram urologia (63.8%), neurologia (61.6%), emergência médica (53.8%) e cirurgia geral (53.8%).

A pesquisa demonstrou que as mulheres estão mais expostas ao Burnout. Representando 50,9% do total do contingente do levantamento, as participantes tiveram maior risco relativo para a doença (RR, 1,17; IC% 95% [1,07-1,28]; a diferença de risco em relação aos homens é de 7,2% (IC 95% [3.1%-11,3%]).

Aqui no Portal PEBMED produzimos diversos conteúdos sobre a doença. No vídeo a seguir, o médico e CEO da PEBMED fala sobre como identificar o distúrbio e os melhores meios de combatê-lo. Assista:

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • Dyrbye LN, Burke SE, Hardeman RR, et al. Association of Clinical Specialty With Symptoms of Burnout and Career Choice Regret Among US Resident Physicians. JAMA. 2018;320(11):1114–1130. doi:10.1001/jama.2018.12615

Um comentário

  1. ADORO TUDO NO PEBMED! É MUITO BOM OUVIR E LER OS ARTIGOS. SOBRE A SÍNDROME DE BURNOUT, FOI DESCRITO EXAMENTE O QUE SINTO! A POLÍTICA, INFELIZMENTE, INTERFERE MUITO NA AUTONOMIA MÉDICA, ASSÉDIOS MORAIS FREQUENTES; PRINCIPALMENTE NO INTERIOR!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.