Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Enfermagem / Candidíase vulvovaginal e oral é a infecção oportunista mais comum
fungos candida albicans, causadores da candidíase

Candidíase vulvovaginal e oral é a infecção oportunista mais comum

Acesse para ver o conteúdo

Inscreva-se gratuitamente para acessar esse conteúdo e muito mais no Portal PEBMED!

Tenha acesso ilimitado a quizzes, casos clínicos, novos estudos e diretrizes atualizadas.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A candidíase refere-se a uma infecção ocasionada pelo fungo Candida albicans, que aloja-se na região anal e genital, podendo contudo, afetar outras regiões dependendo do quadro clínico do paciente. Ela manifesta-se diante de alterações do microambiente ocasionadas por agressão externa, stress, medicação, doenças associadas, excesso umidade, etc.

A candidíase, especialmente a candidíase vaginal, é uma forma oportunista e bastante comum de infecção fúngica, assim como, a candidíase oral. A transição da candidíase assintomática para a candidíase sintomática aponta a mudança da forma saprófita do fungo, para a forma patógena. É considerada um dos diagnósticos mais comuns na ginecologia, especialmente nos países de clima tropical.

Sobre a candidíase

O fungo já faz parte da microbiota humana sendo capaz de conviver sem causar prejuízo em condições normais. Contudo, quando ocorre algum desequilíbrio, sua população cresce, passando a ser patológico para o corpo humano. Em especial com as mulheres, uma vez que o fungo reside de forma amigável em sua microbiota vaginal.

Leia também: HPV: a importância da identificação precoce

Quando ocorre alguma baixa imune, ou alteração da temperatura e umidade local da genitália, favorece o crescimento descontrolado necessitando de tratamento. Casos cuja imunidade encontra-se demasiadamente prejudicada, podem propiciar a ocorrência de candidíase oral, garganta, unhas e pele, e demais locais.

Apresenta como sinais e sintomas:

  • Prurido;
  • Edema;
  • Ardência;
  • Corrimento esbranquiçado;
  • Fissuras similares à dermatite por umidade (na mulher);
  • Vermelhidão com lesão esbranquiçada similar à nata (no homem);
  • Aftas;
  • Dor para engolir.

E como condições de risco:

  • Sexo desprotegido;
  • Roupas íntimas muito justas e de tecido sintético;
  • Usar roupa úmida por muito tempo (maiôs, biquínis);
  • Diabetes mellitus;
  • Gestação;
  • Obesidade;
  • Alteração imune relacionada a doenças, como câncer ou AIDS;
  • Uso demasiado de antibióticos.

Outras áreas também podem ser afetadas como as pregas cutâneas, peniana (no caso dos homens), nas dobras das unhas ou cutículas (no caso de pacientes imunodeprimidos ou diabéticos), sendo indicado o mesmo tipo de tratamento. Ou mucocutânea, onde o tratamento é realizado de forma mais prolongada.

Mais da autora: Histoplasmose pulmonar: o desafio de um diagnóstico preciso

O tratamento da candidíase é considerado relativamente simples, uma vez que é possível tratar com medicações como pomadas antifúngicas, cápsulas intravaginais, medicação oral antimicótica e eventualmente, para casos mais importantes, associa-se probióticos e até mesmo corticoides.

A manutenção da pele em boas condições de umidade ainda é a melhor medida de prevenção, sendo fundamental para evitar a manifestação do quadro.

Tenha a melhor abordagem da enfermagem na palma de sua mão! Baixe o aplicativo Nursebook, já disponível no Android!

Autor:

Referências bibliográficas:

Rocha, Manoel Reginaldo Et Al. Candidíase Vulvovaginal: Sintomatologia, Fatores De Risco E Colonização Anal Concomitante. Rev Bras Ginecol Obstet, P. 3-9, 2007.
Júnior, Anísio Gazeta; Grigoleto, Andréia Regina Lopes; Fregonezi, Paula Andrea Gabrielli. Candidíase Vaginal: Uma Questão De Educação Em Saúde. Brazilian Journal Of Health, P. 89-96, 2011.
Simões, José Antonio. Sobre O Diagnóstico Da Candidíase Vaginal. Rev. Bras. Ginecol. Obstet, P. 233-4, 2005.
Mega, Tacila Pires Et Al. Protocolos Clínicos E Diretrizes Terapêuticas No Sus. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, P. Ág. 3275-3285, 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.