Home / Caso Clínico / Caso Clínico: nó verdadeiro de cordão
nó de cordão

Caso Clínico: nó verdadeiro de cordão

Caso Clínico, Colunistas, Ginecologia e Obstetrícia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Paciente sem comorbidades, pré-natal de risco habitual, diagnosticada com óbito fetal em gestação a termo. Ao nascimento, evidenciada a seguinte imagem.

Qual o diagnóstico?

Nó verdadeiro de cordão! 

Foto: Acervo Pessoal da Dra Mariana Carpilovsky

Os nós verdadeiros de cordão são raros, ocorrendo em cerca de 1% das gestações. São decorrentes da movimentação fetal e podem impedir o fluxo de sangue nos vasos do cordão. São particularmente comuns e perigosos em gestações gemelares monoamnióticas, mas também podem ocorrer em gestações únicas. 

Em geral, os nós verdadeiros são frouxos e únicos e não trazem nenhuma repercussão clínica. Nós justos e/ou múltiplos em gestações únicas aumentam o risco de óbito intra-útero entre 4 e 10 vezes, especialmente no segundo trimestre de gestação e se o cordão for longo.

O diagnóstico pré-natal não é fácil de ser realizado. À ultrassonografia, pode-se evidenciar imagem similar a um “trevo de quatro folhas”. Porém, esse sinal é pouco específico, podendo estar presente também nos falsos nós. O uso do Doppler pode ser útil quando há suspeita dessa anormalidade. 

Durante o trabalho de parto, fetos com nós verdadeiros podem apresentar traçados anormais na cardiotocografia. Entretanto, não há aumento da taxa de cesariana e os valores acido-básicos no sangue do cordão em geral são normais. 

Na foto abaixo, nota-se a presença de um nó frouxo de cordão, evidenciado ao nascimento de RN vivo, a termo, após trabalho de parto espontâneo. Nesse caso, não houve anormalidades durante o trabalho de parto.

Foto: Acervo Pessoal da Dra Julianna Vasconcelos

Confira mais casos:

Autora: 

Referências: 

  • Cunningham et al – Obstetrícia de Williams 24a edição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.