Casos de insônia entre profissionais da saúde aumentam durante a pandemia

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Mais de 41% dos profissionais de saúde sofrem com a insônia, sendo que 13% já fazem uso de tratamentos medicamentosos, segundo dados de um estudo desenvolvido por pesquisadores das Faculdades de Medicina e de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

O levantamento foi realizado com 4.384 profissionais da saúde, que revelou novas queixas de insônia ou piora desse quadro durante o prolongamento da pandemia. O estudo, cujo autor principal é o professor Luciano Drager, da Faculdade de Medicina, foi publicado na plataforma medRxiv.

A pesquisa foi aplicada utilizando um questionário on-line em junho de 2020, com abrangência em todas as regiões, elaborado pela Associação Brasileira de Medicina do Sono (ABMS).

Leia também: Terapia hormonal melhora sintomas de noctúria e insônia?

Casos de insônia entre profissionais da saúde aumentam durante a pandemia

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Mais dados revelados

Com média de 44 anos, 76% dos participantes eram mulheres. Quase 54% eram médicos ou médicas, entre enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e psicólogos. Entre eles, 55,7% estavam atuando nos cuidados de pacientes com a Covid-19 e 9,2% informaram já ter caso de infecção pelo vírus. A ansiedade prevalecia em 44,2% dos entrevistados e o burnout em 21% deles.

Os resultados demonstram que os profissionais de saúde já estavam sofrendo os efeitos da pandemia após poucos meses de trabalho durante a pandemia, o que significa que hoje, um ano depois, a situação deve ter piorado.  

Além disso, o desempenho dos profissionais durante o trabalho pode ser comprometido, além da dependência de tratamentos farmacológicos a longo prazo.

Segundo a professora Cláudia Moreno, coautora do estudo e vice-presidente da ABMS, sem mudanças nessa condição esses trabalhadores continuaram sendo expostos a erros de ordem médica e de atenção no cuidado aos pacientes, além da possibilidade do desenvolvimento e agravo de problemas de saúde.

Saiba mais: Insônia: guideline traz recomendações sobre tratamento

Também é apontada a urgência de programas dedicados ao sono e à saúde mental para profissionais que atuem na área da saúde. “É necessário avaliar a carga horária de trabalho desses profissionais, de modo a lhes dar tempo para descanso e recuperação”, afirmou Cláudia Moreno, em entrevista ao Portal da USP.

Insônia é considerada epidemia na pandemia

Um estudo mais recente, publicado no Journal of Clinical Sleep Medicine, envolveu 678 profissionais, como médicos, enfermeiras e assistentes hospitalares. Foi verificado um aumento de 44% nos casos de insônia nesse grupo em relação ao período anterior à pandemia.

“Existem muitos estudos que examinam os problemas de insônia do sono em resposta a desastres naturais como um terremoto no Peru ou um tufão em Taiwan, mas este é um estresse universal”, disse o autor da pesquisa, o médico Vaughn McCall, presidente do Departamento de Psiquiatria e Comportamento de Saúde do Medical College of Georgia. 

Apesar do aumento da insônia, entre o grupo de profissionais de saúde, 10% relataram melhora no sono após o início da pandemia de Covid-19. A constatação foi realizada em um relatório com 17 questões e o resultado surpreendeu os envolvidos na pesquisa.

A principal preocupação dos especialistas é o risco de combinar insônia e ansiedade devido à pandemia, que pode levar ao suicídio e outros transtornos. É esperado que, quando a pandemia acabar, a taxa de insônia entre os profissionais de saúde diminua, com uma nova análise sendo realizada para verificar isso.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar