Cetamina é eficaz no tratamento do delirium tremens? - PEBMED

Cetamina é eficaz no tratamento do delirium tremens?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

delirium tremens é uma condição grave, que pode colocar em risco a vida do doente em abstinência alcoólica. Em artigo do periódico Critical Care Medicine, publicado em maio, pesquisadores analisaram se a terapia adjuvante com cetamina pode melhorar os desfechos do paciente.

Esse estudo observacional retrospectivo de coorte incluiu 63 pacientes admitidos na UTI de um hospital acadêmico, diagnosticados com delirium tremens pelos critérios DSM V. Todos os participantes foram tratados com benzodiazepínicos e/ou fenobarbital; 34 receberam também uma infusão intravenosa de cetamina (0,15 a 0,3 mg/kg/hora) continuamente até a resolução do delirium.

LEIA TAMBÉM: Abordagem inicial em Abstinência Alcoólica

medicamento vacina

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Cetamina no delirium tremens

Os pacientes tratados com cetamina foram menos propensos a serem intubados (29% vs. 76%; OR: 0,14; p <0,01; IC de 95%: 0,04 a 0,49) e tiveram uma diminuição na permanência na UTI de 2,83 dias (IC de 95%: –5,58 a –0,089; p = 0,043). Para os desfechos na UTI, os coeficientes de correlação foram significativos para o nível de álcool e dosagem total de benzodiazepínicos. Para os desfechos da hospitalização, os coeficientes de correlação foram significativos para a idade do paciente, aspartato aminotransferase e o nível de alanina aminotransferase.

Nenhum evento adverso foi reportado.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que a terapia adjuvante com cetamina foi associada a menor tempo de permanência na UTI, menor necessidade de benzodiazepínicos, menor probabilidade de intubação e uma tendência a uma hospitalização mais curta.

LEIA TAMBÉM: Uso de cetamina está associado com menor risco de suicídio

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar