Home / Terapia Intensiva / Cetamina é eficaz no tratamento do delirium tremens?
medicamento vacina

Cetamina é eficaz no tratamento do delirium tremens?

Terapia Intensiva
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minuto.

delirium tremens é uma condição grave, que pode colocar em risco a vida do doente em abstinência alcoólica. Em artigo do periódico Critical Care Medicine, publicado em maio, pesquisadores analisaram se a terapia adjuvante com cetamina pode melhorar os desfechos do paciente.

Esse estudo observacional retrospectivo de coorte incluiu 63 pacientes admitidos na UTI de um hospital acadêmico, diagnosticados com delirium tremens pelos critérios DSM V. Todos os participantes foram tratados com benzodiazepínicos e/ou fenobarbital; 34 receberam também uma infusão intravenosa de cetamina (0,15 a 0,3 mg/kg/hora) continuamente até a resolução do delirium.

LEIA TAMBÉM: Abordagem inicial em Abstinência Alcoólica

Cetamina no delirium tremens

Os pacientes tratados com cetamina foram menos propensos a serem intubados (29% vs. 76%; OR: 0,14; p <0,01; IC de 95%: 0,04 a 0,49) e tiveram uma diminuição na permanência na UTI de 2,83 dias (IC de 95%: –5,58 a –0,089; p = 0,043). Para os desfechos na UTI, os coeficientes de correlação foram significativos para o nível de álcool e dosagem total de benzodiazepínicos. Para os desfechos da hospitalização, os coeficientes de correlação foram significativos para a idade do paciente, aspartato aminotransferase e o nível de alanina aminotransferase.

Nenhum evento adverso foi reportado.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que a terapia adjuvante com cetamina foi associada a menor tempo de permanência na UTI, menor necessidade de benzodiazepínicos, menor probabilidade de intubação e uma tendência a uma hospitalização mais curta.

LEIA TAMBÉM: Uso de cetamina está associado com menor risco de suicídio

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.