Ciclosporina reduz sequelas da cardiopatia na doença de Kawasaki

A doença de Kawasaki é uma vasculite aguda de causa desconhecida que afeta predominantemente lactentes e crianças pequenas.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A doença de Kawasaki é uma vasculite aguda de causa desconhecida que afeta predominantemente lactentes e crianças pequenas, podendo ocasionar anormalidades nas artérias coronárias, como aneurismas e dilatações em cerca de 25% dos pacientes não tratados. É a principal causa de doença cardíaca adquirida em crianças em países de alta renda. Em cinco décadas que se passaram desde o reconhecimento inicial da doença, os cardiologistas têm se envolvido cada vez mais no manejo de pacientes adultos com esse diagnóstico.

O Japão tem a maior incidência da doença de Kawasaki no mundo: 265 casos por 100 mil crianças <5 anos de idade. Nos Estados Unidos (EUA), a incidência nacional é de 19 por 100 mil em crianças com menos de cinco anos. Uma importante e possível contribuição genética para a susceptibilidade à doença decorre da maior incidência entre os filhos de ascendência japonesa no Havaí (210 por 100 mil) e de ascendência asiática ou das ilhas do Pacífico na Califórnia (50,4 por 100 mil).

A imunoglobulina intravenosa (IGIV) administrada na fase aguda da doença de Kawasaki pode reduzir a incidência de anormalidades nas artérias coronárias. Contudo, cerca de 20% dos pacientes desenvolvem febre persistente ou recrudescente mesmo após terapia padrão com IGIV e aspirina. Ademais, a resistência a IGIV é um fator de risco bem reconhecido para o desenvolvimento de anormalidades coronarianas.

Leia mais: Doença de Kawasaki: quais as características clínicas?

Ensaios clínicos randomizados com o uso de prednisolona e infliximabe sugeriram a eficácia do tratamento combinado com IGIV. Embora várias opções de tratamento tenham sido disponíveis nos últimos 50 anos, o desenvolvimento de anomalias nas artérias coronárias ainda não foi completamente erradicado.

Estudos de todo o genoma identificaram variantes genéticas dos genes ITPKC e CASP3, que conferem suscetibilidade para a doença de Kawasaki. Presumia-se que essas variantes levassem ao aumento da sinalização através do cálcio-nuclear de células T ativadas (NFAT) nas células do sistema imunitário e desencadeassem o excesso de inflamação, além de serem relevantes para o risco de não-responsividade dos pacientes à IGIV, bem como para o desenvolvimento de anormalidades coronarianas.

Estes achados levaram um grupo de pesquisadores japoneses a pensar na hipótese de que a regulação positiva da via do cálcio-nuclear estaria envolvida na fisiopatologia da doença de Kawasaki e que o imunossupressor ciclosporina, seria um tratamento promissor para esta doença. Considerando-se esta hipótese, Hamada e colaboradores (2019) recentemente publicaram o estudo controlado randomizado Efficacy of primary treatment with immunoglobulin plus ciclosporin for prevention of coronary artery abnormalities in patients with Kawasaki disease predicted to be at increased risk of non-response to intravenous immunoglobulin (KAICA), com o objetivo de avaliar a segurança e eficácia da ciclosporina na proteção contra anormalidades da artéria coronária em pacientes com doença de Kawasaki.

Neste estudo, realizado em 22 hospitais do Japão entre 29 de maio de 2014 e 27 de dezembro de 2016, os pacientes foram estratificados por idade, sexo e pelo escore de risco de resistência à IGIV desenvolvido por Kobayashi e colaboradores (Quadro 1). Os pacientes considerados elegíveis tinham maior risco de resistência à IGIV segundo esse escore.

Variável Ponto de corte Pontuação
Sódio 133 mmol/L 2
Dias de doença no início do tratamento 4 2
TGO 100 IU/L 2
Porcentagem de neutrófilos 80 2
PCR 10 mg/mL 1
Idade 12 meses 1
Contagem de plaquetas 300.000/mm³ 1

Quadro 1: Escore de Kobayashi e colaboradores (2006).
Nota: baixo risco – 0 a 3 pontos; alto risco – ≥4 pontos; risco muito alto – ≥ pontos.
Legenda: PCR – proteína C reativa; TGO – transaminase glutâmico- oxalacética.
Fonte: Adaptado de Kobayashi et al. (2006).

Os pacientes foram aleatoriamente designados para receber IGIV com ciclosporina (5 mg/kg por dia durante cinco dias; tratamento do estudo) ou IGIV sem ciclosporina (tratamento controle). O desfecho primário foi a incidência de anormalidades nas artérias coronárias entre os participantes que receberam pelo menos uma dose do tratamento do estudo e visitaram o hospital pelo menos uma vez durante o tratamento.

Foram incluídos 175 pacientes, com idades entre quatro meses e 15 anos, que foram diagnosticados dentro de sete dias do início da doença (considerando o dia 1 da doença como o dia em que a febre se desenvolveu) e com previsão de não responder à IGIV. Um paciente teve o consentimento retirado após a inclusão e foi excluído e um paciente (no grupo de tratamento do estudo) foi excluído da análise devido perda de dados do ecocardiograma. A idade média dos pacientes foi de cerca de 38 meses; 57% eram do sexo masculino.

A incidência de anormalidades nas artérias coronárias foi menor no grupo de tratamento do estudo do que no grupo de tratamento convencional: 12 [14%] de 86 pacientes versus 27 [31%] de 87 pacientes; razão de risco 0,46; IC95% 0,25–0,86; p=0,010. A incidência de eventos adversos foi semelhante nos dois grupos (9% versus 7%; p = 0,78). Além disso, os pacientes que receberam ciclosporina tiveram menor duração da febre após o início do tratamento (mediana de 0,0 dias versus 1,0 dia) e menores concentrações de proteína C reativa nos dias 3 e 5. No entanto, a recidiva foi mais comum no grupo IGIV mais ciclosporina: 23 pacientes versus sete pacientes.

Os autores acreditam que a ciclosporina é segura mesmo para pacientes com doença de Kawasaki de baixo risco. Para os autores, a sensibilidade e especificidade do escore de risco japonês é de 70 a 80%, o que significa a administração de ciclosporina também ocorreu em pacientes de baixo risco, mostrando alta eficácia sem um aumento de efeitos colaterais adversos.

Os autores concluíram que a terapia primária com IGIV combinada a ciclosporina foi segura e eficaz para desfechos coronarianos favoráveis ​​em pacientes com doença de Kawasaki, cuja não resposta à IGIV era previsível. No entanto, mais pesquisas são necessárias para otimizar o uso de IGIV associada à ciclosporina e determinar quais os pacientes com doença de Kawasaki se beneficiarão mais desta combinação como terapia inicial.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  • KOBAYASHI, T. et al. Prediction of Intravenous Immunoglobulin Unresponsiveness in Patients With Kawasaki Disease. Circulation, v;113, p.2606-12, 2006.
  • HAMADA, H. et al. Efficacy of primary treatment with immunoglobulin plus ciclosporin for prevention of coronary artery abnormalities in patients with Kawasaki disease predicted to be at increased risk of non-response to intravenous immunoglobulin (KAICA): a randomised controlled, open-label, blinded-endpoints, phase 3 trial. Lancet, v.393,p.1128-37, 2019.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades