Página Principal > Colunistas > Como a rotina do médico e o sedentarismo estão relacionados?
sedentarismo

Como a rotina do médico e o sedentarismo estão relacionados?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Carga horária semanal alta, noites mal dormidas, atendimento a pacientes graves, análises de pedidos de atestados e afastamentos, realização de procedimentos complexos, falta de condições adequadas em alguns hospitais. Assim como esses, não faltam motivos para um médico alegar estar cansado e não ter tempo para praticar atividade física. Se, para uma pessoa que trabalha em horário comercial, ter os fins de semana livres, viajar nos feriados e tirar férias de 30 dias uma vez por ano muitas vezes já é difícil, imagine para nós?

Estudos sugerem que a medicina está entre as profissões com as maiores taxas de síndrome de Burnout e também de suicídios, além de elevada prevalência de alcoolismo, tabagismo e abuso de substâncias ilícitas.

A atividade física pode e deve entrar nesse cenário para modificar esse panorama. Isso, não apenas pelos conhecidos benefícios cardiovasculares, mas, sobretudo, para a manutenção de nossa saúde mental, no combate à depressão e, até mesmo, na prevenção do suicídio.

Leia mais: OMS lança plano para reduzir o sedentarismo; veja aqui os keypoints

É fato que, à medida que começamos a fugir do sedentarismo, nossas orientações aos pacientes adquirem propriedade e passam a produzir mais sentido e efeito. A nossa disposição vai gradativamente melhorando, bem como a nossa capacidade de concentração. Os hábitos alimentares, na maioria das vezes, também vão se tornando mais saudáveis. E, de alguma forma, sabemos disso.

Mas, infelizmente, nem todos conseguem vencer a inércia do sedentarismo. Peguem como exemplo um dia aleatório de plantão, visita em enfermaria ou consultório, e percebam a quantidade de pacientes que possuem alguma doença relacionada aos maus hábitos de vida. De que maneira poderíamos conseguir orientá-los agindo de forma parecida? Acredito que o assunto merece uma breve reflexão.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Diego Blanco

Médico infectologista, formado pela USS – Vassouras/RJ ⦁ Residência pelo Hospital do Heliópolis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.