Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Como abordar as pneumonias virais em tempos de coronavírus?
médico segurando estetoscópio para cuidados de paciente com pneumonia viral por coronavírus

Como abordar as pneumonias virais em tempos de coronavírus?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Vivemos uma pandemia da doença pelo coronavírus (Covid-19) e não temos dúvidas de que os pacientes graves irão chegar em nossas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). As pneumonias virais já eram uma preocupação, antes do novo coronavírus (SARS-COV-2). Em duas décadas, já havíamos presenciado epidemias de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SARS-COV-1 (em 2003/2004) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio – MERS (de 2012 até o presente momento).

Pneumonias virais e coronavírus

Os patógenos virais são cada vez mais reconhecidos entre pacientes adultos gravemente enfermos com doença respiratória grave adquirida na comunidade. Estudos detectaram infecções virais respiratórias (IVRs) em 17% a 53% desses pacientes. Hoje, falaremos sobre o artigo do professor Yaseen M. Arabi a respeito de pneumonias virais e também citaremos alguns trechos da Webinar que o próprio fez na semana passada pela plataforma da Sociedade Europeia de Terapia Intensiva (ESICM).

Quando pensar em gravidade no paciente com Covid-19?

Já temos ouvido falar com relação aos sintomas de quem tem coronavírus, como febre, tosse, dispneia, mialgias. No caso de pacientes com IVRs graves, que necessitam de cuidados na UTI, apresentam tipicamente insuficiência respiratória hipoxêmica.

Quais os achados da tomografia?

Segundo Guan et al, dos 1099 casos de pacientes com COVID-19 em seu estudo, 975 fizeram tomografia computadorizada na admissão, das quais 86,2% eram anormais, com opacidades em vidro-fosco em 56,4%.

Leia mais em: Coronavírus: como abordar os casos graves?

Como tratar as pneumonias virais?

O oseltamivir é o inibidor da neuraminidase mais utilizado no tratamento da gripe; os dados sugerem que o uso precoce está associado à redução da mortalidade em pacientes críticos com influenza. Porém, atualmente, não existem terapias antivirais de eficácia comprovada para outros IVRs graves, incluindo o coronavírus.

Várias intervenções farmacológicas adjuvantes foram estudadas por seus efeitos imunomoduladores, incluindo macrolídeos, corticosteroides, inibidores da ciclo-oxigenase-2, sirolímus, estatinas, plasma imune anti-influenza e vitamina C, mas atualmente não é recomendado em IVRs graves.

Os cuidados de suporte baseados em evidências são a base para o tratamento da infecção viral respiratória grave. A ventilação não invasiva em pacientes com IVR grave causando insuficiência respiratória hipoxêmica aguda e pneumonia está associada a uma alta probabilidade de transição para ventilação invasiva.

Ainda estamos em um período de conhecimento existente limitado, destacando a necessidade de dados sobre cuidados de suporte e terapia farmacológica adjuvante, específicos para pacientes graves. Devemos ter muito cuidado nos protocolos que estão sendo divulgados nas redes sociais para não prescrevermos na empolgação terapias sem comprovação e que possam ter efeitos deletérios.

O que há de evidências sobre transmissão nos hospitais?

Segundo Wang, em artigo publicado no JAMA, 41% dos pacientes tiveram transmissão relacionada aos cuidados em saúde, sendo 12% internados por outros motivos e 29% eram profissionais de saúde. Neste contexto, todo cuidado é pouco na hora das medidas de prevenção no atendimento aos doentes.

Veja também: Coronavírus em Terapia Intensiva: orientações de abordagem do COVID-19

Take-home message

  • Em pacientes com coronavírus, atenção aos sinais de gravidade, como hipoxemia;
  • Oseltamivir é importante para o influenza. Porém, não existem terapias antivirais de eficácia comprovada para o coronavírus;
  • Profissionais de saúde, atenção especial ao uso de EPI’s (equipamentos de proteção individual)!

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Yaseen M. Arabi. Critical care management of adults with community-acquired severe respiratory viral infection. Intensive Care Medicine volume. 2020
  • GUan et al. Clinical Characteristics of Coronavirus Disease 2019 in China. NEJM
  • Wang et al. Clinical Characteristics of 138 Hospitalized Patients With 2019 Novel Coronavirus–Infected Pneumonia in Wuhan, China. JAMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.